PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Flamengo planeja volta gradual de torcida sem contar com lucro garantido

Estádio Mané Garrincha pronto para receber a disputa de terceiro lugar entre Peru e Colômbia  - Andressa Anholete/Getty Images
Estádio Mané Garrincha pronto para receber a disputa de terceiro lugar entre Peru e Colômbia Imagem: Andressa Anholete/Getty Images
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

20/07/2021 04h00

Ao final do ano passado, o Flamengo previu a volta da torcida aos estádios em abril de 2021 e, portanto, orçou R$ 100 milhões em renda de bilheteria. O planejamento não se confirmou. Agora, o clube, enfim, vai ter um jogo com público na Libertadores —diante do Defensa y Justicia, amanhã (21), em Brasília)—, como parte de passos para o retorno definitivo de torcedores. Mas a diretoria rubro-negra não conta com a renda de bilheteria para fechar as contas deste ano, embora a veja como bem-vinda.

O orçamento rubro-negro não foi revisto oficialmente. Mas, internamente, dirigentes do time carioca já têm suas previsões das contas do ano com lucro zero com bilheteria. Se houvesse, sim, o retorno em outubro, isso ajudaria as finanças.

Por isso, a partida com o Defensa y Justicia é vista mais como um primeiro passo na campanha pela volta do público do que como uma chance de se obter lucro. Há a estimativa da diretoria rubro-negra de que é possível que o clube apenas empate os custos ou tenha pequena sobra. O quadro não estava claro ainda com as vendas até segunda-feira.

A questão é que o público de até 15 mil terá de ser espalhado por todos os setores do Mané Garrincha, um estádio com capacidade para mais de 70 mil espectadores, pelas regras de distanciamento. Assim, aumenta-se o custo com todas as partes do estádio abertas. Além disso, terão de ser bancados custos de viagem do Defensa. Os ingressos cobrados vão de R$ 140,00 de R$ 500,00.

Essa estratégia de abrir todos os setores deve valer para o Maracanã. O Flamengo já começa os estudos para o retorno da torcida ao estádio, e há um pedido feito à prefeitura do Rio de Janeiro ainda sem resposta. Mas há a certeza de que uma permissão só ocorrerá com torcedores espalhados pelo estádio. Por enquanto, o público não está permitido no Brasileiro e na Copa do Brasil, apenas na Libertadores.

O clube precisa avaliar qual é o número de torcedores necessários para a operação se tornar rentável. Outro aspecto é o impacto da bilheteria no sócio-torcedor. Atualmente, o programa tem 53 mil torcedores, menos da metade do que apresentava no início da pandemia.

Em 2020, o Flamengo contabilizou em torno de R$ 200 milhões as perdas com bilheteria e sócio-torcedor por conta da pandemia. Com os adiamentos de público, o clube decidiu se precaver com vendas de atletas e evitando investimentos altos no time. Agora, caso consiga de fato ter públicos significativos em 2021, será um ganho extra além do previsto.