PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

CBF não paga salários de atletas do Flamengo e Palmeiras e fatura R$ 30 mi

Gabigol retomou a titularidade da seleção brasileira após ficar no banco na estreia da Copa América - Wagner Meier/Getty Image
Gabigol retomou a titularidade da seleção brasileira após ficar no banco na estreia da Copa América Imagem: Wagner Meier/Getty Image
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

19/06/2021 04h00

O Flamengo e o Palmeiras têm três jogadores, Gabigol, Everton Ribeiro e Weverton, cedidos à seleção para eliminatórias e Copa América. Ficarão um mês e meio com o time brasileiro. Mas a CBF contraria a lei, não paga seus salários e rechaça cobranças. Tanto as eliminatórias quanto a Copa América são altamente rentáveis para a confederação: vão gerar pelo menos R$ 30 milhões.

A CBF e o Flamengo vivem uma disputa por causa da convocação do atacante Pedro para a Olimpíada. O clube tinha vetado, e a confederação o chamou mesmo assim para tentar forçar sua ida. A cessão não é obrigatória. O Palmeiras vetou a presença de Weverton na Olimpíada, a confederação queria ficar com ele por dois meses da temporada.

Essas problemas são fruto do calendário feito pela própria CBF em que os campeonatos não param para partidas da seleção. Neste ano, serão afetadas 18 rodadas do Brasileiro por datas-Fifa.

Desde a apresentação para as eliminatórias, Everton Ribeiro, Gabigol e Weverton ficarão um total de 44 dias com a seleção se o time for para a final. Descontados aí dois dias de folga entre as duas competições. Os dois atletas são dos maiores salários do Flamengo, o mesmo ocorre com Weverton no Palmeiras.

Em seu artigo 41, a Lei Pele estabelece em seu primeiro parágrafo: "A entidade convocadora indenizará a cedente dos encargos previstos no contrato de trabalho, pelo período em que durar a convocação do atleta, sem prejuízo de eventuais ajustes celebrados entre este e a entidade convocadora". Ou seja, a CBF teria de pagar um mês e meio de salário da carteira dos dois jogadores.

Pela lei, os salários devem ser pagos inclusive quando o jogador voltar contundido. Isso porque o período de convocação se estende até o atleta estar apto a jogar. Pedro, que serviu à seleção olímpica, voltou com covid-19 e não pode atuar pelo time. Teoricamente, ainda está a serviço da seleção até poder jogar.

A confederação, no entanto, não paga nada, segundo apurou o blog. É o mesmo tratamento dado ao Palmeiras que não tem salários pagos pela CBF nem de Weverton, nem de jogadores da seleção olímpica e da base. A diretoria do Flamengo já chegou a cobrar os valores, mas a entidade não mudou sua postura e ignorou. Historicamente, a CBF descumpre a Lei Pelé. Dirigentes rubro-negros entendem que o único jeito seria uma cobrança no STJD, mas não houve este pleito.

Embora não pague pelos atletas, a CBF ganha bastante dinheiro ao utilizá-los. Nas eliminatórias, seu contrato com a Globo prevê uma remuneração de US$ 2 milhões (R$ 10 milhões) por jogo em casa do campeonato. Na Copa América, cada seleção recebe um total de US$ 4 milhões (R$ 20 milhões). Assim, o faturamento mínimo no período é de R$ 30 milhões.

Caso o Brasil seja campeão da Copa América, o prêmio é ainda maior: US$ 10 milhões (R$ 50 milhões). Ou seja, a entidade pode faturar até R$ 80 milhões neste período em que utiliza os jogadores dos times nacionais e internacionais.

Questionada, a CBF não respondeu se repassa o dinheiro dos salários como previsto em lei.

Rodrigo Mattos