PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Libertadores e Sul-Americana perdem R$ 239 mi com rescisões de Globo e DAZN

Palmeiras campeão da Libertadores 2020 - Getty Images
Palmeiras campeão da Libertadores 2020 Imagem: Getty Images
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

24/03/2021 04h00

A Libertadores e a Sul-Americana perderam US$ 43 milhões (R$ 239 milhões) com as rescisões de contratos de direitos da Globo e da DAZN. A informação consta do balanço da Conmebol. Com isso, a entidade acabou o ano com prejuízo.

Após as rescisões, a Conmebol assinou novos acordos com o SBT e com a Conmebol TV para transmissão em TV Aberta e Fechada da Libertadores no Brasil. Só que o dinheiro desses compromissos só passaram a entrar para Conmebol em 2021. Ou seja, houve um buraco quando a Globo parou de pagar.

"A CONMEBOL cumpriu o compromisso de entrega de partidas aos titulares de direitos, entretanto, dois deles (Dazn e Globo) decidiram unilateralmente rescindir seus contratos, cujo impacto nas receitas significou uma queda de USD 43.350.000 para o exercício de 2020. Esses direitos foram novamente comercializados, com a formalização de acordos com o SBT, Claro-Sky através do operador e programador local, Bandeirantes, para os ciclos 2020-2022", diz o balanço da Conmebol.

A emissora carioca pagava US$ 65 milhões pelos direitos de TV Aberta e Fechada da Libertadores para o Brasil. Optou pela rescisão dos contratos em agosto alegando que a Libertadores tinha sido paralisada pela pandemia. Depois, tentou renegociar novo acordo, mas a Conmebol não topou.

Os novos contratos com o SBT e Conmebol TV são menores do que os da Globo. Em 2021, haverá, portanto, também uma perda de receita, mas o impacto real ainda não é sabido. No caso da Copa Sul-Americana, no Brasil, parte das receitas também virá pela Conmebol TV que é vendida em pay-per-view.

Em todas as contas, a Libertadores teve US$ 28 milhões (R$ 154 milhões) a menos de renda em 2020 em relação ao ano anterior. Conseguiu uma arrecadação total de US$ 272 milhões (R$ 1,5 bilhão).

Além das perdas com os contratos de televisão, a Conmebol reportou que teve prejuízo de US$ 10 milhões em receitas com a realização das duas finais únicas sem público. Essa era a expectativa das duas competições, na maior parte, proveniente da final do Maracanã.

Apesar dessas perdas, a Conmebol manteve as premiações para os clubes quase nos mesmos valores. Houve até um pequeno aumento. No total, foram distribuídos US$ 229 milhões, quase US$ 12 milhões a mais do que em 2019. A tendência é isso se manter até 2022 quando são válidos os atuais contratos, já que há garantias de pagamentos da agência IMG (parceira da Conmebol) pelos direitos da Libertadores.

A Conmebol teve uma compensação ao conseguir recuperar dinheiro perdido com os casos de corrupção da gestão anterior, conhecidos como o caso Fifa. Foram feitos acordos e recuperações de dinheiro em poder da família de Nicolas Leóz, ex-presidente da Conmebol, que desviou recursos da entidade. No total, foram recuperados US$ 38 milhões.

Mesmo assim, a Conmebol fechou o ano com US$ 14 milhões de déficit ao contrário de 2019 quando tinha tido superávit.