PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como Libertadores dribla restrições por covid e não para como Eliminatórias

Gustavo Gomez com a taça da Libertadores da América - Cesar Greco
Gustavo Gomez com a taça da Libertadores da América Imagem: Cesar Greco
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

09/03/2021 04h00

A Conmebol adiou os jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo devido à recusa de clubes europeus a liberar jogadores e também por conta das restrições de viagens por conta da pandemia de coronavírus. Mas a Libertadores continuará mesmo com limitações de circulação em dois países, Peru e Colômbia. É que houve uma adaptação no regulamento da competição para mudar local de partidas.

Assim como na edição de 2020, a Conmebol determinou no regulamento que, quando uma equipe não puder jogar em seu país, terá um jogo deslocado para outra região. Foi o caso do jogo do Grêmio contra o Ayacucho que foi transferido do Peru para o Equador. Isso porque o governo peruano proíbe voos do Brasil para o país

Outro país com veto é a Colômbia, justamente onde seria realizada a partida da seleção das eliminatórias. Então, nesses dois casos, times brasileiros que venham a enfrentar equipes desses países terão a vantagem de jogar fora da casa do adversário.

Por conta dessa regra, não houve discussão na confederação sul-americana sobre paralisação da Libertadores na reunião em que foram adiadas as eliminatórias. A competição, que começou em 23 de fevereiro, tem estreias dos dois brasileiros, Grêmio e Santos, nesta semana, na fase anterior aos grupos.

Essa regra da Libertadores é similar à da Champions League. Por lá, clubes situados em países com restrição de viagens também têm que se deslocar para atuar fora de sua base. E, assim como na Champions, a Libertadores prevê W.O. no caso de um time ter tantos jogadores infectados que não possa reunir sete para jogar.

Além desse protocolo, a confederação sul-americana determina testes de coronavírus para todas as delegações. Os resultados têm que ser entregues antes dos jogos. A Conmebol tem informado que o número de resultados positivos na edição de 2020 foi baixo. Não foi possível impedir, no entanto, surtos como ocorrido com o Flamengo durante viagem ao Equador.

Rodrigo Mattos