PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Globo tem negociação aberta com Juventude e Cuiabá por direitos da Série A

Matheus Barbosa (esq) fez parte do grupo de jogadores que subiu o Cuiabá para a Série A do Brasileiro - Divulgação/Cuiabá
Matheus Barbosa (esq) fez parte do grupo de jogadores que subiu o Cuiabá para a Série A do Brasileiro Imagem: Divulgação/Cuiabá
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

03/03/2021 04h00

Por enquanto, a Globo ainda não tem os direitos dos jogos de Juventude e Cuiabá para o Brasileiro da Série A. A emissora está em negociação com os dois clubes que ascenderam à primeira divisão há pouco mais de um mês. O time gaúcho já tem um acordo de TV Fechada com a WarnerMedia.

Entre as outras equipes que subiram, Chapecoense e América-MG já têm contratos fechados com a Globo. Os dois times tinham assinado acordos no período de 2016 quando houve a disputa entre a emissora carioca e a WarnerMedia (ex-Turner) pelo acordo a partir de 2019.

Naquela rodada de negociações, a Globo e a WarnerMedia fecharam diversos acordos com times nas Séries A e B. Esses contratos só seriam válidos caso as equipes chegassem à elite. Na Segundona, vale um acordo coletivo feito pela CBF com a Globo que remunera os clubes de forma igualitária.

A Globo já tem conversa com as diretorias de Juventude e Cuiabá para adquirir os direitos relacionados a pay-per-view e TV Aberta. No caso do Cuiabá, também será possível comprar os direitos de TV Fechada.

A proposta da emissora é uma adesão ao modelo similar ao de outros clubes da Série A. No total, os contratos da TV Aberta e Fechada valerão em torno de R$ 1 bilhão se todos os clubes aderirem com exceção dos que estão com a TNT Sports. Esse dinheiro é distribuído como 40% de forma igual, 30% por posição no campeonato e outros 30% por exibição nas plataformas. Em geral, isso não costuma ser um empecilho para os clubes que sobem à Série A.

A questão é o contrato de pay-per-view. Por esse acordo, os clubes são remunerados de acordo com a fatia de assinantes que se declararem seus torcedores. Neste caso, Cuiabá e Juventude teriam percentuais pequenos. Isso gerou uma demora de acordo com o Red Bull Bragantino no ano passado antes do Brasileiro.

Pela legislação atual, que dá aos dois times os direitos de arena sobre os jogos, Juventude e Cuiabá não têm como vender seus jogos para outra emissora já que seria impossível a transmissão. A não ser que vendam só a partida entre eles.

Com a ascensão do Juventude, a WarnerMedia terá sete times na Série A na TV Fechada no que pode ser seu último ano de contrato do Brasileiro. Seriam Santos, Palmeiras, Bahia, Athletico-PR, Fortaleza, Ceará e Juventude. O Internacional encerra seu contrato com a WarnerMedia e passa a ter todos os seus direitos atrelados à Globo em 2021.

Rodrigo Mattos