PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

Meio-campo de meninos do Palmeiras atropela o cascudo River

Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

05/01/2021 23h23

Há uma tese difundida no Brasil de que times grandes argentinos como River Plate e Boca Juniors sabem jogar a Libertadores como nenhum outro do continente. Atribui-se esse fato à experiência das equipes que os mantém calmos mesmo em movimentos difíceis. Pois o meio-campo de meninos do Palmeiras destruiu o maduro River.

O técnico Abel Ferreira optou por três garotos da base palmeirense em seu meio, Danilo, Gabriel Menino e Patrick de Paula. Estariam encarregados de criar um bloqueio as triangulações do time mais entrosado da América do Sul. O time armava-se para se defender com um 5-4-1 apenas com Luiz Adriano solto. Era proposta alviverde parar o rival e depois sair em velocidade.

Não foi fácil no início da partida quando o River trabalhava as jogadas pelos dois lados do campo. Assim criou duas chances de gol, uma delas parada em excelente defensa de Weverton após conclusão de Borré.

Mas o River dava espaços nas costas de sua subida. Em uma delas, Gabriel Menino cruzou rasteiro para a falha de Armani na saída com os pés. Ronny arrematou com os pés.

Menino aparecia na frente como lateral ofensivo e fechava uma linha de cinco na defesa palmeirense. Ainda sobrava fôlego para fechar no meio. Sobrou em todos os aspectos do jogo, fisicamente, tecnicamente e em maturidade.

Mais centralizado, Patrick de Paula não só bloqueava como distribuía bolas com tranquilidade, inclusive viradas difíceis. Ao lado seu lado, estava um igualmente seguro Danilo. A zaga palmeirense pode agradecer a proteção. E, quando roubava a bola, o Palmeiras saia pelo chão como no gol de Luiz Adriano.

Com a vantagem, Menino ainda provocou com uma dominada de efeito. Enzo Perez reclamou para tentar intimidar, mas quem perdeu a cabeça foi Carrascal com um pontapé que lhe causou a expulsão.

O meio-campo de meninos palmeirense é um resultado de uma política de contenção de gastos - depois que o dinheiro da Crefisa parou de jorrar sem limites - para a temporada que abriu uma oportunidade para uma base de excelência. É também fruto da aposta do técnico Abel Ferreira que não teve medo de escolher os meninos para enfrentar o cascudo River. Em uma temporada em que capengava, o Palmeiras abriu um caminho gigante para a final da Libertadores com três gols de vantagem para o então melhor time do continente.