PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

Rodrigo Maia tem evitado reuniões com clubes para discutir a MP do Mandante

ADRIANO MACHADO
Imagem: ADRIANO MACHADO
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

01/10/2020 03h59

Um grupo de clubes das Séries A e B esteve em Brasília na terça-feira e quarta-feira para fazer pressão pela votação e aprovação da MP do Mandante. De novo, não conseguiram um encontro com o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) que tem evitado os clubes, segundo apurou o blog. Sua intenção é deixa a medida caducar sem votação.

Maia testou positivo para Covid no último dia 16 de setembro. Pelo protocolo atual da OMS, são necessários 10 dias de quarentena, prazo que já teria sido encerrado.

Dirigentes da Série A estiveram com o vice-presidente da Câmara, Marcos Pereira (Republicanos-SP), além de líderes do governo, da oposição e do governo. No total, encontraram 11 parlamentares nas duas visitas. Em sua maioria, não foram presidentes. Clubes da Série B também estiveram com o Presidente da República, Jair Bolsonaro, nesta quarta-feira.

Fato é que já os clubes têm tentado nos últimos meses com freqüência contato com Rodrigo Maia para um encontro. Membros do movimento relatam que ele não responde mensagens ou evita se comprometer com reuniões.

Apesar do encontro de Bolsonaro com os clubes, o ministro da Comunicação, Fábio Faria, também disse em entrevista ao UOL que entende que a MP vai caducar analisando o contexto da Câmara. Segundo ele, não havia grande esforço do governo para fazê-la ir à votação.

Rodrigo Mattos