PUBLICIDADE
Topo

Blog do Rodrigo Mattos

Feita às pressas, regra de Covid da CBF pode desequilibrar Brasileiro

Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

13/08/2020 04h00

O início do Brasileiro foi confuso por conta de um problema generalizado nos protocolos de prevenção de coronavírus feitos pela CBF. Após a primeira rodada, a confederação já fez modificações nas regras para evitar infecções Covid. O problema é que as mudanças têm sido feitas de uma hora para outra e, portanto, fica uma dúvida do que vale em cada rodada.

Primeiro, diga-se que não é ruim que a CBF atualize protocolos e reconheça erros, especialmente depois de um início tão complicado do campeonato. A prioridade tem que ser preservar a saúde dos jogadores. E as modificações feitas pela confederação fazem sentido.

Por exemplo, a obrigação de realizar todos os exames no Hospital Albert Einstein, como previsto inicialmente, não estava funcionando porque seu laboratório não se mostrou capaz de fazer testes em todo o país para entregar resultados com celeridade. Por isso, os exames foram descentralizados e agora está nas mãos dos clubes escolher os locais de testes, o que permite tirar jogadores infectados.

Mas, ao mesmo tempo, a CBF não estabeleceu um número de atletas infectados que levará à suspensão dos jogos. Ora, na primeira rodada, o Goiás teve um jogo com o São Paulo adiado porque eram nove atletas contaminados. Pois o CSA também teve nove infectados antes de jogo da Série B e sua partida contra o Guarani não foi adiada.

A CBF afirma que o critério é se há jogadores suficientes para jogar e a segurança dos atletas. Mas quem determina o primeiro item? Um clube pode ficar sem cinco atletas e entender que está muito desfalcado para jogar. Deveria haver uma regra fixa para evitar acusações de manipulação.

Em uma segunda modificação, a CBF determinou que jogadores que testarem positivo para Covid e que tenham cumprido a quarentena de 10 dias estão liberados para jogar. Foi referendado por infectologistas brasileiro e pelo órgão norte-americano para saúde (CDC) que considera essas pessoas curadas e que não transmitem mais os vírus. Ok, tem uma base sólida.

Essa regra começou a ser aplicada na segunda rodada para o Atlético-GO, que requisitou a liberação de quatro jogadores, mas não valeu para o Corinthians que tinha casos similares. Gil e Léo Natel, barrados para o jogo com o Atlético-MG, já tinha testado para Covid, feito quarentena e estavam curados. Seus novos exames positivos levaram o Corinthians a tira-los do jogo por precaução.

A CBF informa que a regra já tinha sido avisada para todos os jogadores e que cabia a cada clube recorrer para pedir a presença dos jogadores. Houve cerca de 20 recursos e só os do Atlético-GO e o Oeste foram aceitos, baseados nos inquéritos epidemiológicos apresentados pelos clubes. O Corinthians, segundo a CBF, não recorreu.

Então, a partir de agora, a confederação deve, sim, atualizar seus protocolos sempre que for um aperfeiçoamento. Mas, antes de aplicar a nova regra, tem que reunir os médicos de clubes e explicar qual o novo protocolo para a rodada seguinte. Diz a entidade que tem feito esse procedimento e que todos estão avisados das mudanças antes de serem aplicadas. É, bom, no entanto, que essa comunicação fique clara ou teremos uma confusão em que o que vale para um, não vale para outro, na mesma rodada.

Errata: o post informou inicialmente que a CBF não tinha avisado os clubes sobre a possibilidade de liberar atletas com testes positivos desde que provado que já não poderiam mais contaminar outros. Mas a entidade diz que todos os times foram alertados

Blog do Rodrigo Mattos