PUBLICIDADE
Topo

Athletico analisa negociar jogos de mandante da Série A e pode afetar Globo

Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

03/07/2020 13h56

Baseado na MP sobre direitos de TV, o Athletico-PR analisa se pode negociar seus jogos como mandante do Brasileiro para transmissão em streaming na internet. A informação foi do presidente do Conselho Administrativo do Athletico-PR, Mario Celso Petraglia, em declaração no twitter. Isso pode gerar novo conflito com a Globo já que a emissora comprou direitos de streaming de outros times que atuariam nas partidas.

"Como o Athletico não vendeu seus direitos de transmissão do PPV para a RG (Rede Globo) em razão do valor vil nos oferecido, a proporção é de 25x para 1 do que ganha mais para o menos! Teremos 19 jogos como mandante para negociarmos por 5 anos, serão 95 jogos em casa contra todos!", afirmou o dirigente rubro-negro no twitter.

Ao blog, Petraglia esclareceu que não é certo que o clube negociará os direitos de streaming como mandante. Afirmou que ainda aguarda os acontecimentos depois de a Globo ter desistido da ação contra o Flamengo. E por isso quer ver a consolidação da lei.

Não descarta inclusive negociar os direitos do streaming com a Globo se houvesse uma distribuição mais igualitária dos valores. Para Petraglia, a MP traz chances de nova divisão de direitos do pay-per-view.

Há um entendimento entre advogados de que um clube pode assinar um acordo longo de cessão de jogos como mandante em streaming enquanto vigorar a MP do governo federal. Por isso, Petraglia mencionou cinco anos de duração e 95 partidas. A medida, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro, deu aos clubes mandantes os direitos de transmissão em vez dos dois clubes. Na avaliação do Athletico, mesmo que a MP caia, os contratos assinados continuariam válidos se fechados enquanto o texto estava em vigor.

O Athletico tem acordos de TV Aberta com a Globo e de TV Fechada com a Turner. Mas não assinou um acordo de pay-per-view do Brasileiro. E seu acordo com a Turner lhe dá os direitos sobre as partidas como streaming. Pelo que apurou o blog, o Athletico já prospecta possíveis interessados no mercado para a compra desses direitos de jogos como mandantes.

Isso pode gerar o mesmo tipo de conflito que a Globo teve com o Flamengo em relação ao Carioca. A emissora comprou os direitos de pay-per-view de 18 times no Brasileiro, com exceção do Red Bull Bragantino e do Athletico. E o entendimento da emissora, relatado em ação na Justiça contra o Flamengo, é de que seus acordos de exclusividade impedem que o time mandante venda uma partidas na qual tenha o outro time sob contrato.

O Red Bull Bragantino, que não tem nenhum contrato de televisão ainda, também pretende usar a MP para assinar um acordo para vender seus jogos como mandante.

Blog do Rodrigo Mattos