PUBLICIDADE
Topo

Blog do Rodrigo Mattos


Clubes aprovam fim da venda de mando de campo no Brasileiro

Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

27/02/2020 16h17

Em reunião no Conselho Técnico, os clubes aprovaram em votação por maioria o fim da venda de mando de campo em todo o Brasileiro. Anteriormente, só havia proibição nas rodadas finais. A CBF fez proposta de veto do mando que contou com apoio majoritário do clubes.

Assim, clubes de menor porte não poderão mais transferir jogos para outras praças fora de seu Estado. Haverá casos excepcionais por motivos técnicos a serem analisados pela CBF. Um exemplo: um clube que esteja impedido de jogar em seus estádios e precise atuar fora de seu Estado. Mas não será permitido se for caracterizada a venda de mando.

"Só pode haver uma exceção se for para um Estado que o clube tiver uma torcida majoritária. Essa medida visa o maior equilíbrio técnico da competição", afirmou o presidente da CBF, Rogério Caboclo. Ou seja, haverá a possibilidade de o clube reivindicar jogar fora desde que seja com seu mando em um campo que tenha mais torcida.

Pela votação, foram nove clubes que votaram pelo veto total ao mando de campo. Outros quatro optaram por uma alternativa: haveria permissão de cinco vendas, mas um mesmo time só poderia jogar como visitante fora do estádio natural do rival uma vez. Mais sete votaram pela manutenção como estava a regra com possibilidade de venda em todo o campeonato, menos nas cinco rodadas finais.

"Sou favorável (ao veto) porque desequilibra o campeonato", disse o presidente do Santos, José Carlos Peres.

Um clube que se posicionou contra o veto ao mando de campo foi o Flamengo. O presidente rubro-negro, Rodolfo Landim, argumentou em discurso que o time é nacional e tem torcida em todos os lugares. "Não foi a proposta vencedora (manter permissão de venda). Cada clube deveria ter o direito de mandar o seu jogo em qualquer local.

Pessoas diziam que o Flamengo poderia ter esse direito, e outros não. Sou contra porque aí seria tutelar. Mas é compreensível, né? Vocês entenderam por que."

Outra mudança no regulamento foi relacionada à limitação de elencos. Até 2019, valia um máximo de 45 jogadores inscritos no elenco. Agora, passam a ser permitidos 40 jogadores. Mas, em compensação, a substituição de jogadores tem oito jogadores em vez de cinco como antes. A data limite é de agosto de 2020.

A CBF tentou colocar novamente uma proposta de troca de limitação de técnicos. Mas os clubes não quiseram nem levar o assunto à votação, descartando o tema.

Blog do Rodrigo Mattos