PUBLICIDADE
Topo

Resposta do Fla a Faustão é peça na guerra fria com Globo, não rompimento

Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

11/02/2020 13h30

A nota do Flamengo rebatendo críticas do apresentador Faustão sobre o incêndio do Ninho do Urubu foi mais um movimento que aumentou a guerra fria entre as partes. A disputa se iniciou pelo impasse em torno dos direitos do Carioca. Mas não há rompimento: continua a haver conversas entre clube e emissora para tentar um entendimento que, neste momento, parece improvável. A Globo respondeu ao clube dizendo que sua acusação sobre Faustão não tinha "cabimento" e, portanto, negando relação o impasse comercial.

Desde o ano passado, o Flamengo pediu R$ 80 milhões pelos direitos do Carioca, enquanto a Globo ofereceu R$ 18 milhões. Com essa diferença, as conversas entre as partes se desenrolam sem avanços. Não há negociação de jogos individuais.

A partir daí, a Globo se manifestou em favor da meritocracia e equilíbrio de cotas em entrevista de seu diretor Fernando Manuel ao site da Globo. O Flamengo rebateu dizendo que não era remunerado como devia pela emissora. E, seguida, o clube entrou com processo contra a emissora por descumprimentos do acordo do Brasileiro cobrando R$ 30 milhões.

As críticas do apresentador Faustão à diretoria do Flamengo na condução do caso do incêndio do CT - que matou dez garotos - foram vistas no clube como um ataque difamatório parte da disputa comercial. Em reunião na segunda-feira, a diretoria rubro-negra decidiu soltar uma nota para rebater em que diz sobre as falas do apresentador: "infelizmente nos leva a crer que tamanha agressividade tem como pano de fundo interesses comerciais não atendidos e que se sobrepõe ao trabalho de informar corretamente aos telespectadores".

Internamente, a diretoria via como inevitável a resposta e entende que cada parte usa suas armas na queda de braço. Os dirigentes do Flamengo, no entanto, entendem que conversas comerciais com a emissora continuarão e que a nota não dificulta o diálogo. O impasse tem mais relação com as condições financeiras propostas ao clube do que com ataques dos lados. A nota e o processo são parte dos mecanismos do Flamengo na disputa.

A posição é similar ao que acontece dentro da Globo. Há a constatação de que uma nota contra emissora aumenta a temperatura do relacionamento com o clube. Mas a Globo continuará a fazer propostas e conversar sobre os direitos do Carioca independentemente dessas alfinetadas. Além disso, as partes têm outro contrato bem maior do Brasileiro sobre o qual mantêm conversas constantes.

Uma questão agora seria de negociação de jogos individuais do Carioca. Não houve nenhuma proposta até agora neste sentido da Globo, mas não está descartado que ocorresse no futuro. Dentro do Flamengo, atualmente, é descartado fechar um contrato pontual para uma partida decisiva.

A Globo respondeu ao Flamengo com nota dizendo que não tem cabimento e é ofensiva a relação que o clube fez entre a crítica de Faustão e o impasse comercial entre as partes:

"A ilação sugerida pelo Flamengo não tem cabimento. Chega a ser ofensiva. O marco de um ano desde o trágico acontecimento mais do que justifica a recente cobertura, que vem sendo feita por todos os veículos de imprensa. Ao longo de todo 2019, a Globo exibiu partidas do Flamengo em todas as competições que o clube disputou, com uma cobertura à altura da excelente campanha esportiva do clube. E nem por isso deixou de registrar cada nova notícia sobre a tragédia do Ninho do Urubu. Sempre com a isenção, a correção e o respeito que um acontecimento tão trágico exige de quem faz bom jornalismo."

"Como aconteceu no caso de tantas outras tragédias e acontecimentos marcantes, o incêndio no Ninho do Urubu recebeu atenção total da equipe da Globo - assim como dos demais veículos. No dia 8 de fevereiro de 2019, a Globo alterou sua programação e não exibiu os programas 'Mais Você', 'Bem Estar' e 'Encontro com Fátima Bernardes'. Durante os últimos 12 meses, acompanhou todos os desdobramentos do caso, sempre ouvindo as partes envolvidas. Foram inúmeras entrevistas e dezenas de matérias sobre o assunto ao longo do ano, exibidas nos telejornais e programas da Globo. Todas estão disponíveis no Globoplay. A Globo não mistura jornalismo e negócios. Nosso compromisso é com a divulgação isenta das informações do interesse do público. "

Blog do Rodrigo Mattos