PUBLICIDADE
Topo

Blog do Rodrigo Mattos


Clubes perdem R$ 120 mi com ausência do Athletico-PR no ppv e antecipações

Nikão, meio-campo do Athletico-PR, é marcado por Cícero, volante do Botafogo durante partida na Arena da Baixada, pelo Campeonato Brasileiro - Robson Mafra/AGIF
Nikão, meio-campo do Athletico-PR, é marcado por Cícero, volante do Botafogo durante partida na Arena da Baixada, pelo Campeonato Brasileiro Imagem: Robson Mafra/AGIF
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

07/02/2020 04h00

O fato de o Athletico não ter assinado contrato do Brasileiro de pay-per-view e antecipações feitas com aval da Globo geraram um prejuízo de pelo menos R$ 120 milhões para os clubes em suas rendas no pacote fechado. É o que mostram os contratos da emissora com o Flamengo que constam de processo entre as partes. O time rubro-negro foi poupado das perdas porque tinha garantia mínima em dinheiro prevista, assim como clubes como Grêmio, Palmeiras e Corinthians.

O blog obteve uma série de 13 contratos entre o Flamengo e a Globo de 2012 a 2024 que contam a história das relações da TV com os clubes no período. Isso porque boa parte das cláusulas era padrão usada em todos os acordos. Serão publicadas três matérias em uma série contando como se configuraram as relações com a emissora na era dos acordos individuais.

Reprodução
Imagem: Reprodução

Os acordos entre Globo e clubes preveem que todos os times fiquem com 38% da arrecadação total do pay-per-view. Mas, se houvesse uma queda grande nas vendas, os clubes teriam direito a dividir um total de R$ 650 milhões em 2019, e R$ 700 milhões, em 2020, independentemente do montante obtido pela emissora.

Mas, para esses mínimos garantidos terem efeitos, seria necessário que todos os clubes listados no acordo fechassem pelo ppv. Entre os times na relação, estava o Athletico-PR. A justificativa da Globo para essa cláusula é que o produto passa a valer menos se não é possível exibir todos os jogos.

Reprodução
Imagem: Reprodução

Além disso, a Globo inclui em seus contratos outra cláusula em que determina que é necessário que a emissora dê um aval para que as verbas futuras dos direitos de TV sejam antecipadas junto a bancos e financeiras. O blog apurou que, após as assinaturas dos acordos em 2016, vários clubes foram pedir aval à emissora que só os deu em troca de que abrissem mão dessa garantia mínima de R$ 650 milhões. Então, aos poucos, a maioria dos times perdeu essa vantagem contratual em troca de ter dinheiro na mão.

Neste contexto, houve uma queda considerável na arrecadação do ppv do ano passado, afetado pela perda de assinantes da TV fechada e pela pirataria. Relatórios repassados aos clubes indicavam que a fatia deles, em nove meses de 2019, estava estimada em R$ 530 milhões. Se forem considerados apenas oito meses, como quer a Globo, seria em torno de R$ 470 milhões. Ou seja, o prejuízo de pelo menos R$ 120 milhões.

Ainda não se tem os números do ppv deste ano que só serão revelados nos relatórios de abril e maio. Mas há a possibilidade de novo perda de assinantes já que a Globo não fechou com o Flamengo a compra dos direitos do Estadual-2020 e o clube tem uma boa fatia do público.

Além da perda pelas ausência do Athletico e antecipações, a maioria dos clubes terá de dividir uma fatia menor do bolo por conta da garantia mínima dada a Flamengo, Corinthians, Palmeiras e Grêmio. O percentual de cada será calculado depois de se retirar o valor fixo desses clubes.

Blog do Rodrigo Mattos