PUBLICIDADE
Topo

Blog do Rodrigo Mattos


Flamengo movimenta R$ 300 mi em vendas e contratações acima do previsto

Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

30/01/2020 04h00

Apesar de vencedor na temporada de 2019, o Flamengo fez uma reforma significativa em seu elenco para o próximo ano. O clube ultrapassou a sua meta de vendas de jogadores e, por isso, também investiu um pouco mais em contratações do que o orçado. No total, houve uma movimentação de cerca de R$ 300 milhões nesta janela.

O primeiro passo para o clube foi a venda de Reinier para o Real Madrid por 30 milhões de euros (R$ 139 milhões). Com esse montante, a diretoria já ultrapassava com vantagem o orçamento de R$ 80 milhões de vendas para o ano - o clube deve ficar com R$ 110 milhões pelo percentual. Somado a isso, negociou agora Pablo Marí por 4 milhões de euros por empréstimo ao Arsenal - valor que atingirá mais 4 milhões no meio do ano com a venda. Sem considerar esse valor, são R$ 157,5 milhões.

Em relação a aquisições, o Flamengo fechou a compra de Gabigol com a Inter de Milão por 16,5 milhões (R$ 76 milhões) na sua operação mais cara. Michael foi contratado do Goiás por R$ 34 milhões. Com a saída de Marí, pagou outros 6 milhões de euros (R$ 27,8 milhões) por Léo Pereira, do Athletico. O empréstimo de Pedro da Fiorentina custou mais 1 milhão de euros (R$ 4,6 milhões). A soma de todas essas transações chegou a R$ 142,6 milhões. Houve ainda uma operação menor de compra do atacante Thiago, do Náutico, cujo valor não foi revelado.

O montante gasto com contratações ultrapassa um pouco o previsto no orçamento que era de R$ 138 milhões. Mas a prática dentro do Flamengo é que o departamento de futebol tem autorização a gastar mais se tiver vendas que excedam o previsto no orçamento. Com um saldo de R$ 60 milhões - ou R$ 30 milhões se considerarmos a perda do percentual de Reinier, o clube tinha mais dinheiro para contratar já que outras receitas pagam os salários.

Há uma intenção dentro do clube de desonerar a folha salarial que aumentou com as chegadas que envolveram atletas que não tiveram compras de direitos federativos, como Pedro Rocha, Gustavo Henrique e Thiago Maia. Por isso, há a movimentação para venda de Piris e Berrío que não se concretizaram.

Sob o ponto de vista do fluxo de caixa, as vendas e as compras foram parceladas. Gabigol será pago até 2023 pelo acerto com a Inter de Milão. A negociação de Reinier para o Real também tem pagamentos em parcelas durante o ano. O mesmo ocorre com outras transações. Por isso, o clube entende que houve um equilíbrio nas operações até com um saldo final.

E, internamente, o técnico Jorge Jesus ficou satisfeito com o resultado da janela do Flamengo ao atender suas demandas de um atacante de meio como Pedro e outro mais incisivo como Michael. Ao final, o time bem-sucedido na temporada de 2019 foi o que mais se mexeu na janela do início do ano.

Blog do Rodrigo Mattos