PUBLICIDADE
Topo

Blog do Rodrigo Mattos


Cotas de TV dos Estaduais: Corinthians ganha 87 vezes mais que Athletico-PR

Igor Castro/Divulgação
Imagem: Igor Castro/Divulgação
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

22/01/2020 04h00

Realizados por quatro meses, os Estaduais aumentam desigualdades entre os times do Brasileiro da Série A por conta da disparidade entre os contratos de direitos de transmissão. Levantamento do blog mostra que as equipes da Primeira Divisão têm cotas que variam de R$ 26 milhões para os grandes de São Paulo até R$ 300 mil para os times do Paraná, Coritiba e Athletico-PR.

Boa parte dos Estaduais têm início nesta semana e se estendem até o final de abril. A CBF reservou 16 datas para as competições, com redução de duas em relação à temporada de 2019. Todos os campeonatos que envolvem times da Série A envolvem contratos de televisão.

Mas são bem diferentes do Brasileiro-2020, que se inicia em maio, com critérios de divisão igual para os recursos de TV aberta e TV fechada, com fatias distribuídas igualmente, por posição e número de exibições. Há ainda o dinheiro do pay-per-view que é determinado pelo percentual de cada torcida entre assinantes.

Nos Estaduais, os contratos dependem do valor de marcado de cada região, independentemente da marca do clube. Então, cria-se uma hierarquia pela qual o time ganha mais de acordo com o seu Estado. O campeonato mais valorizado é o Paulista. Em seguida vem o Carioca, que perdeu valor. Mineiro e Gaúchão são os próximos. Os outros demais clubes da Série A têm todos cotas de, no máximo, R$ 1 milhão.

No Paulista, a cota atingiu R$ 26 milhões para os grandes, em contrato com a Globo que se estende até o próximo ano. Ou seja, São Paulo, Santos, Corinthians e Palmeiras são os clubes melhor remunerados por televisão nos quatro primeiros meses.

Em seguida, estão Vasco, Botafogo e Fluminense, que ganham R$ 18 milhões cada pelo contrato do Carioca, assinado até 2024. O Flamengo não aceitou essa proposta da Globo e pediu quatro vezes mais. Não houve acordo entre as partes. Assim, os jogos do time rubro-negro têm apagão de TV.

Em Minas Gerais, as cotas de Cruzeiro e Atlético-MG são de R$ 14,3 milhões, também em contrato com a Globo. Ficam pouco à frente do valor destinado a Grêmio e Internacional, com R$ 13 milhões.

A partir daí, o Sport é o clube com melhor cota, já que recebe R$ 1 milhão pelo Estadual de Pernambuco, fechado com a Globo. É a mesma cota de Náutico e Santa Cruz. O Bahia, que fechou bom contrato no Brasileiro com a Turner, tem uma cota de R$ 800 mil pelos direitos do Baiano.

Pelo Goiano, Goiás e Atlético-GO recebem R$ 500 mil cada um. E a DAZN acertou um contrato no Paranaense que destina R$ 300 mil para Athletico-PR e Coritiba. Ressalte-se que a empresa fez um acordo com o Furacão para ceder à TV do clube o direito de replicar imagens. Não foi possível obter os números do Campeonato Cearense.

*Colaborou Napoleão de Almeida

Blog do Rodrigo Mattos