Topo

Blog do Rodrigo Mattos


Não faz sentido em um Vasco quebrado pagar mais a Abel do que a Luxemburgo

O técnico Abel Braga, do Vasco, antes de partida contra o Bangu Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF
Rodrigo Mattos

21/01/2020 12h00

Em meio a uma debandada na gestão do presidente Alexandre Campello, saiu o vice-presidente de controladoria do clube Adriano Mendes, que era um dos responsáveis pelo plano de recuperação financeira do clube. Ao deixar o Vasco, o ex-dirigente escreveu um longo texto em que explica que se desligava porque a diretoria decidira descumprir o orçamento de 2020 extrapolando os gastos com o futebol.

Para exemplificar isso, Adriano diz que o Vasco pagaria um salário maior para o recém-contratado Abel Braga do que o concedido a Vanderlei Luxemburgo. E ainda afirma que a única contratação da temporada —o centroavante Cano— foi feita sem o aval do departamento financeiro. Além disso, outras negociações eram feitas sem aval do financeiro.

Ou seja, o clube investe sem respeitar o orçamento e sem, portanto, saber se poderia cumprir. Não foi a primeira vez visto que, em 2019, Campello também esticou a corda e elevou a folha do futebol em R$ 1 milhão após resultados ruins no Carioca.

Em sua defesa, em vídeo recente da Vasco TV, Campello admitiu as divergências com os dirigentes que saíam e explicou que quis aumentar o investimento para evitar um rebaixamento. "Aí, no meio do campeonato, com as dificuldades que o time apresentou, fui obrigado a investir um pouco mais até pensando em manter o time na primeira divisão", disse ele, sobre 2019. Defendeu a mesma tese sobre 2020.

A divergência gira em torno de R$ 1 milhão da folha. O total orçamento prevê R$ 3,3 milhões, sendo R$ 1,5 milhão para jogadores que não vão ser utilizados ou são dívidas antigas. Campello quer gastar um pouco mais de R$ 4 milhões. Segundo ele, só seria possível renovar com alguns jogadores com esse dinheiro a mais. O presidente vascaíno ainda defende que com maior investimento terá mais bilheteria, premiações e sócio-torcedor.

Ora, a tese não faz sentido se analisarmos a recuperação financeira de outros clubes. As agremiações que efetivamente conseguiram se reestruturar retraíram gastos para caber em suas receitas, pagaram mais dívidas e depois investiram para obter bilheteria, prêmios, etc. Quem fez discurso de que investimento traz dinheiro quando se está em situação difícil foi o Cruzeiro.

O Vasco não é o Cruzeiro, e tem um plano de pagar R$ 180 milhões em dívidas no ano de 2020, segundo números do texto de Adriano Mendes. Mas, para chegar lá e pagar o dia, tem que captar empréstimos ou adiantamentos de R$ 40 milhões. É claro que isso não será fácil - uma operação deve ser fechada agora ano meio de janeiro.

Em uma cenário apertado assim, faz sentido contratar um técnico medalhão mais caro do que o anterior e sem resultados recentes? E vale trazer um centroavante novo sem ter sequer pago as folhas salariais nos últimos meses? Será que o clube não pode repetir o acúmulo de salários para jogadores que depois não são utilizados e inflam a folha?

A tese de que só com uma folha de R$ 4 milhões é possível se manter na Série A também é bastante contestável. O Vasco tinha a 10ª folha salarial do ano passado, e resultados inferiores ao seu patamar. O Bahia, que tinha investimento similar, sempre teve desempenho esportivo superior por exemplo. Não existe fórmula mágica: clube que gasta além do que sua conta permite não vai se reestruturar nunca.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Não faz sentido em um Vasco quebrado pagar mais a Abel do que a Luxemburgo - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL

Blog do Rodrigo Mattos