PUBLICIDADE
Topo

Blog do Rodrigo Mattos


Com vendas, Palmeiras prioriza reduzir dívidas inclusive com a Crefisa

Presidente Mauricio Galiotte planeja reduzir dívidas com o dinheiro obtido na janela do mercado da bola neste início de 2020 - Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação
Presidente Mauricio Galiotte planeja reduzir dívidas com o dinheiro obtido na janela do mercado da bola neste início de 2020 Imagem: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

10/01/2020 04h00

Com Danilo Lavieri, do UOL, em São Paulo

Em política de redução de gastos e venda de jogadores, a diretoria do Palmeiras vai priorizar o pagamento de dívidas com o dinheiro obtido. Entre os passivos que se pretende reduzir estão as pendências com a Crefisa e isso poderá ser feito conforme atletas da empresa forem negociados. Isso não impede, no entanto, que o clube reserve uma fatia dos recursos para contratações.

Financeiramente, a temporada de 2019 não foi boa para o Palmeiras, com excesso de gastos com contratações que não deram retorno e terão de ser pagas. Havia um déficit até os últimos meses, embora o clube esperasse reverte-lo. A dívida aumentou no período.

Um dos principais passivos é com a Crefisa, patrocinadora do clube, após acordo em 2018 que transformou o dinheiro destinado a contratações em dívida. Até o final da temporada de 2018, o valor era de R$ 142,7 milhões. O reajuste é pelo CDI, isto é, o montante deve ter fechado em torno de R$ 150 milhões em 2019. O Palmeiras não revela o valor exato da dívida neste momento.

A diretoria palmeirenses confirma que tem a intenção de reduzir de forma geral os passivos do clube e, neste contexto, entra a dívida com a Crefisa. Com isso, a ideia seria negociar jogadores que foram bancados com os recursos da Crefisa, não se limitando a esses. Pela regra dos empréstimos, se um atleta pago com o verba da parceira for negociado, o clube tem que devolver o montante com juros. Caso exista uma diferença, o Palmeiras tem até dois anos para quitar.

O gasto mensal com juros com a Crefisa é de R$ 900 mil mensais, segundo informações de conselheiros que participaram da reunião sobre orçamento de 2020. Ou seja, quanto mais se reduzir o débito, consegue-se diminuir as despesas com esse item.

Entre os jogadores comprados com o dinheiro da patrocinadora, estão Dudu, Borja, Guerra, Deyverson, Bruno Henrique, Fabiano, entre outros. A estratégia da diretoria alviverde, no entanto, é só fazer negociações de atletas que façam sentido tecnicamente. Não vão forçar a saída de um atleta que ainda é útil por ser da Crefisa para reduzir o débito. Não querem, portanto, enfraquecer a equipe.

O colombiano Borja é certamente o jogador que representa a maior fatia do passivo com a Crefisa. Foi comprado com aporte de R$ 33 milhões, valor ao qual deve se acrescentar a remuneração. Ele está emprestado ao Júnior Barranquilha com a esperança de que se valorize para poder ser revendido. Por enquanto, a negociação mais significativa foi de Arthur, com R$ 27 milhões pagos pelo Red Bull.

Blog do Rodrigo Mattos