PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Renato Mauricio Prado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

RMP: Com Sousa, a grande chance de Pedro, no Flamengo

Conteúdo exclusivo para assinantes
Renato Mauricio Prado

Renato Mauricio Prado é jornalista e trabalhou no Globo, Placar, Extra, Rádio Globo, CBN, Rede Globo, SporTV e Fox Sports. Assina atualmente uma coluna diária no Jornal do Brasil. A primeira Copa que cobriu in loco foi a da Argentina, em 1978.

05/01/2022 21h08Atualizada em 05/01/2022 21h10

Jorge Jesus não teve tempo e nem fazia sentido, pois conseguira montar uma máquina muito bem azeitada, que reinava absoluta no futebol brasileiro e no do continente. Domènec Torrent só fez lambanças com sua teimosia e seu futebol de totó e, depois dele, nem Rogério Ceni, nem Renato Gaúcho tiveram peito de mexer nos "quatro avançados", para buscar uma forma de juntar no ataque rubro-negro os dois maiores goleadores do elenco.

A chegada de Paulo Sousa muda radicalmente esse panorama. E, enfim, Pedro deve ter a sua grande oportunidade de virar titular. Muito possivelmente, ao lado de Gabigol. Sousa chega sem compromissos com o antigo "dream team" - aquele que disputou a final da Libertadores estropiado fisicamente: Diego Alves, Isla, Rodrigo Caio, David Luiz e Filipe Luís; Arão, Andreas Pereira, Everton Ribeiro e Arrascaeta; Gabigol e Bruno Henrique.

Pelo que se sabe das predileções táticas de seu novo treinador, o Flamengo passará a jogar com três zagueiros o que já modifica de forma profunda a estrutura dos últimos anos. Em seus times, é tradicional ainda a presença de um centroavante clássico, que saiba jogar enfiado entre os zagueiros e seja capaz de fazer bem o pivô para os companheiros que vêm de trás. Gabigol não se encaixa no perfil. Pedro, sim.

Com a presença de dois "alas", bem abertos nas extremas, e dois volantes lado a lado (outras características típicas nos trabalhos de Paulo Sousa), sobram duas vagas para completar o ataque. Uma, com certeza, será de Arrascaeta. A outra, de Gabigol - ambos com liberdade para girar por todo o campo ofensivo, criando jogadas para Pedro e também concluindo a gol.

Um time possível? Diego Alves, Rodrigo Caio, David Luiz e Filipe Luís; Arão e Thiago Maia (Andreas Pereira); Matheuzinho (Isla) e Bruno Henrique (como alas avançados); Gabigol, Arrascaeta e Pedro.

A partir da próxima sexta-feira, Souza inicia seus trabalhos e suas ideias e planos começarão a ser revelados. Pedro, com razão, está esperançoso. Pela primeira vez, desde que foi contratado, inicia uma temporada com grandes chances de ser titular. Ao lado de Gabigol, que não deve se incomodar nem um pouco de jogar mais pelo lado do campo - exatamente como Tite pensa em utilizá-lo na seleção. Disputar a próxima Copa do Mundo, neste ano, é tudo que o principal artilheiro do Flamengo quer.