PUBLICIDADE
Topo

Renato Maurício Prado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

RMP: Daniel Alves é capricho de Landim. O Fla não precisa dele

Conteúdo exclusivo para assinantes
Renato Mauricio Prado

Renato Mauricio Prado é jornalista e trabalhou no Globo, Placar, Extra, Rádio Globo, CBN, Rede Globo, SporTV e Fox Sports. Assina atualmente uma coluna diária no Jornal do Brasil. A primeira Copa que cobriu in loco foi a da Argentina, em 1978.

17/09/2021 23h21Atualizada em 17/09/2021 23h31

Daniel Alves não pode jogar a Copa do Brasil; tampouco tem condições de atuar na Libertadores e tal restrição se estende também a um possível Mundial Interclubes. Daniel Alves só pode ser escalado no Campeonato Brasileiro. E até neste talvez se torne desfalque, por conta das Datas Fifa e eventuais convocações para a seleção brasileira. Afinal, por que o Flamengo pensa em contratá-lo?

O elenco rubro-negro tem em seu elenco três laterais-direito: Isla, Matheusinho e Rodinei. Desse trio sairá o titular nos jogos mais importantes que o time de Renato Gaúcho terá pela frente. Faz sentido contratar Daniel Alves para jogar no Brasileiro se nos confrontos mais importantes, na hora da onça beber água, quem vai jogar será outro?

Sem dúvida, na campanha do nono título brasileiro (o terceiro em sequência) Daniel pode ser um reforço técnico para um grupo que será extremamente exigido pelo calendário insano do nosso futebol - basta ver a alucinada sequência de jogos que a CBF quer impor ao atual bicampeão, obrigando-o a jogar quatro jogos em prazo entre oito e dez dias! Mas, ainda que aceite menos da metade do salário de R$ 1,5 milhões por mês que o São Paulo lhe prometeu e não conseguiu pagar, ainda será um jogador caro. Que na atual temporada pouco poderá produzir.

Se contratado, Daniel Alves não virá para compor elenco. Exigirá ser titular. Na lateral ou no meio. E em vez de solução pode se tornar um problema para Renato Gaúcho. Ah, mas poderá jogar todas as competições em 2022, argumentarão alguns. Ele já tem 38 anos. Fará 39 em maio do ano que vem. Por quantos anos exigirá um novo contrato?

Se houvesse bom-senso, o Flamengo nem sequer cogitaria contratar Daniel Alves. Mas é um capricho pessoal do presidente Rodolfo Landim, que mantém acesa essa chama. Ele ficou amigo do jogador quando chefiou a delegação brasileira na Copa América de 2019, aquela vencida pelo Brasil. E é quem defende veementemente a sua contratação.

O Flamengo estaria muito mais bem servido, se tivesse trazido Rafinha de volta, por um salário provavelmente menor do que Daniel Alves pode ganhar agora. Mas a atual diretoria é vingativa e não o perdoou pela saída para o futebol grego.

Não custa lembrar, os atuais dirigentes rubro-negros são egocêntricos e arrogantes. Como Daniel Alves, que teve a petulância de dizer que colocou o São Paulo (tricampeão mundial!) no mapa do mundo! Por isso, ainda pode dar "match". Embora o Flamengo não precise dele.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Renato Maurício Prado