PUBLICIDADE
Topo

Renato Maurício Prado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Crespo ressuscita o São Paulo: escalação corajosa e vitória incontestável

Marquinhos comemora com Crespo após marcar para o São Paulo contra o Racing - Marcelo Endelli/Getty Images
Marquinhos comemora com Crespo após marcar para o São Paulo contra o Racing Imagem: Marcelo Endelli/Getty Images
Renato Mauricio Prado

Renato Mauricio Prado é jornalista e trabalhou no Globo, Placar, Extra, Rádio Globo, CBN, Rede Globo, SporTV e Fox Sports. Assina atualmente uma coluna diária no Jornal do Brasil. A primeira Copa que cobriu in loco foi a da Argentina, em 1978.

21/07/2021 00h13

Sem dúvida, as voltas de Miranda e Rigoni ajudaram, bem como a escalação de Benitez, desde o início. Mas não apenas isso explica a excelente atuação do São Paulo, ao derrotar o Racing por 3 a 1, em pleno "Cilindro", garantindo uma classificação que, diante das últimas atuações, parecia até improvável na Libertadores.

Dias depois de ser derrotado pelo Fortaleza, no Brasileiro, e dar uma entrevista ponderada e lúcida (não pediu reforços, não se queixou do calendário, não culpou a arbitragem pela derrota), o técnico Hérnan Crespo arregaçou as mangas, quebrou a cabeça e encontrou um time surpreendente que jogou o fino da bola. Com enorme coragem. O tempo todo no ataque.

Barrar Luan e Reinaldo (esse já desde o primeiro confronto) soaria como loucura há pouco tempo. Lançar um jovem como Marquinhos, como titular, no ataque, num jogo de tamanha importância, também. Pois tais decisões se mostraram extremamente acertadas no Estádio Presidente Péron. E foi graças a essas modificações que o time apático no empate em 1 a 1, no Morumbi, sofreu autêntica metamorfose, não somente garantindo a passagem para as quartas de final da Libertadores, com autoridade, como se tornando, de fato, um real candidato ao título.

A majestosa atuação coloca no horizonte do São Paulo um possível superclássico, nas quartas-de-final, contra o Palmeiras, que enfrenta a Universidad Católica, podendo garantir a vaga até com o empate. Se o time de Crespo seguir jogando como na Argentina, não há favorito.

Miranda jogou uma barbaridade, Rigoni e Benitez também, Marquinhos incendiou o ataque e, na verdade, praticamente todo o time brilhou. O grande herói da noite, entretanto, não estava dentro do gramado, mas à beira dele, diante do túnel de reservas. Chama-se Hérnan, é argentino, e um baita treinador de futebol.

No sufoco

Ao contrário do São Paulo, o Atlético Mineiro era favoritíssimo para garantir a vaga, diante de um dos Bocas mais fracos dos últimos anos, no Mineirão. A passagem para as quartas-de-final, contudo, só foi conseguida numa dramática disputa por pênaltis. E, uma vez mais, o time argentino teve um gol anulado pelo VAR em decisão polêmica. Cuca ainda não conseguiu tirar tudo do excepcional elenco que tem nas mãos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Renato Maurício Prado