PUBLICIDADE
Topo

Renato Maurício Prado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

O golaço de Chú e o grito latente de “Volta, Abelão” ameaçando Ramirez

Diego Souza e Lucas Ribeiro disputam lance durante clássico entre Grêmio e Internacional no Gauchão 2021 - Pedro H. Tesch/AGIF
Diego Souza e Lucas Ribeiro disputam lance durante clássico entre Grêmio e Internacional no Gauchão 2021 Imagem: Pedro H. Tesch/AGIF
Renato Mauricio Prado

Renato Mauricio Prado é jornalista e trabalhou no Globo, Placar, Extra, Rádio Globo, CBN, Rede Globo, SporTV e Fox Sports. Assina atualmente uma coluna diária no Jornal do Brasil. A primeira Copa que cobriu in loco foi a da Argentina, em 1978.

04/04/2021 04h00

Passava pouco da meia-noite. Já era, portanto, aniversário de 112 anos do Internacional. E o presente do Grêmio (ou seria mais correto dizer de grego?) veio através de um lindo chute de curva de Léo Chu, que entrara em campo seis minutos antes. Bola no fundo da rede de Marcelo Lomba e vitória do tricolor gaúcho, fazendo o técnico espanhol Miguel Angel Ramirez estrear com derrota no Gre-Nal.

Mau presságio? O último treinador estrangeiro a dirigir o Colorado, o argentino Eduardo Coudet, disputou cinco clássicos contra o seu maior rival, perdeu quatro e empatou um. Apesar da boa campanha no Campeonato Brasileiro, deixou o Inter com a pecha de freguês de Renato Gaúcho, algo que decididamente não é bem-visto pela turma que veste vermelho no Sul.

É impossível (e injusto) julgar o trabalho de Angel Ramirez por uma partida. Ele mal assumiu e precisará de tempo para promover uma mudança tão radical na equipe que acabou vice-campeã brasileira, sob o comando de Abel Braga, jogando bem fechadinha e saindo em contra-ataques para buscar o gol adversário - na maioria das vezes em que precisou propor o jogo se complicou. Vide a derrota para o Sport e o empate com o Corinthians, ambos no Beira-Rio, resultados que lhe custaram o título.

Com o ex-técnico do Independiente del Valle, o Internacional passará a jogar no famoso e nada usual por aqui esquema posicional. Isso demora, como se pode ver na desastrosa passagem do catalão Domènec Torrent, à frente do campeoníssimo Flamengo de 2019. O torcedor colorado precisará ter, portanto, a paciência que o rubro-negro carioca não teve - nem poderia, após três goleadas desmoralizantes, contra o Del Valle (de Ramirez), o São Paulo e o Atlético Mineiro.

O problema é que a "sombra" de Abel Braga, um autêntico semideus no Beira-Rio, permanecerá pairando sobre a cabeça do espanhol a cada tropeço, a cada atuação decepcionante. Além de ter conseguido uma campanha surpreendentemente espetacular, na reta final do Brasileiro, Abel venceu o Gre-Nal que disputou...

O clássico de maior rivalidade do futebol brasileiro tem um peso considerável na avaliação dos treinadores do Rio Grande do Sul. Ou alguém acredita que Renato Gaúcho teria escalado os titulares em qualquer outro jogo, a apenas três dias de um confronto importantíssimo pela Libertadores - contra o Independiente del Valle, como visitante?

Mesmo sem ter a bola na maior parte do jogo, o Grêmio foi muito mais efetivo e contundente que o seu maior rival. E mereceu o resultado que lhe garante uma injeção de ânimo para o difícil duelo que terá para chegar à fase de grupos da Libertadores. Onde já está o Inter.

Novos Gre-Nais virão por aí. Abre o olho, Ramizez!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Renato Maurício Prado