PUBLICIDADE
Topo

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Quem é o artilheiro dos 131 gols que já tira sono do Palmeiras no Mundial?

Funes Mori é o maior artilheiro da história do Monterrey - Divulgação
Funes Mori é o maior artilheiro da história do Monterrey Imagem: Divulgação
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

30/11/2021 04h00

Um time mexicano que joga em função de um veterano centroavante importado de outro país, mas que domina a área adversária e se comporta como uma verdadeira máquina de balançar as redes.

Depois de sofrer nas mãos do Tigres e de André-Pierre Gignac nas semifinais do último Mundial de Clubes, o Palmeiras pode reviver esse pesadelo com o Monterrey e seu camisa 7, Rogelio Funes Mori, de 30 anos.

Assim como no ano passado, o sorteio da competição da Fifa colocou o representante da Concacaf no caminho do clube brasileiro. Afinal, o vencedor do confronto entre o clube do México e o Al-Ahly, do Egito, será o adversário alviverde na briga por vaga na decisão.

O artilheiro do Monterrey nasceu na Argentina e, assim como seu irmão gêmeo, o zagueiro Ramiro Funes Mori, hoje na Arábia Saudita, começou a carreira nas categorias de base do River Plate.

Em 2012, chegou a disputar um Superclássico das Américas, contra a seleção brasileira. E, um ano mais tarde, foi negociado com o Benfica.

Só que Funes Mori não deu lá muito certo em Portugal e chegou a ser emprestado ao Eskisehirspor, da Turquia, para recuperar seu futebol. Mas foi só depois que se transferiu para o Monterrey, em 2015, que ele realmente decolou.

Ao longo dos últimos seis anos, marcou 131 gols pelo Monterrey e se tornou o maior artilheiro da história do clube. Também ganhou um título nacional, duas Copas do México e duas edições da Liga dos Campeões da Concacaf.

Na campanha vitoriosa na última Concachampions, Funes Mori foi o cara. Fez dois gols nas semifinais contra o Cruz Azul e anotou o único tento da decisão contra o América (MEX). Com isso, garantiu também a eleição de melhor jogador da competição.

O sucesso na Liga MX fez com que ele retornasse no meio deste ano ao mundo das seleções. Naturalizado mexicano, passou a ser chamado para defender o país que o acolheu. E, imediatamente, já começou a deixar sua marca. Foram cinco gols nas primeiras 13 partidas com a camisa da "Tri".

Assim como Gignac, o goleador e astro do Tigres que derrotou o Palmeiras no último Mundial, Funes Mori não é apenas um jogador de área. Bastante leve para a altura que possui (tem 1,90 m e 74 kg), sabe se movimentar e abrir espaço para a infiltração dos seus companheiros de ataque.

E, no Monterrey, o artilheiro tem vários parceiros acostumados a participar de competições importantes. O zagueiro Héctor Moreno (ex-Roma) disputou as últimas três Copas do Mundo pelo México. O argentino Maxi Meza e os costarriquenhos Joel Campbell e Celso Ortiz são outros nomes importantes que passaram pelo torneio de seleções.

Previsto originalmente para ser jogado no Japão, o Mundial de Clubes foi adiado e realocado depois que o Japão desistiu de organizá-lo por conta da pandemia da covid-19. Com isso, o torneio será disputado entre os dias 3 e 12 de fevereiro, nos Emirados Árabes Unidos.

As oito edições mais recentes do torneio da Fifa foram conquistadas pelos vencedores da Liga dos Campeões da Europa.

A última vitória de um clube brasileiro (e também sul-americano) foi em 2012, quando o Corinthians derrotou o Chelsea. Coincidente, a equipe inglesa também será a representante do Velho Continente na competição do próximo ano.

Desde que começou a ser disputado, com uma edição inaugural, em 2000, e posteriormente anualmente 2005, o Mundial de Clubes foi vencido somente por clubes da Europa (13 títulos) e da América do Sul (quatro troféus).