PUBLICIDADE
Topo

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como golpe de Estado impacta eliminatórias e prendeu jogadores na África

Soldados da Guiné patrulham ruas da capital, Conacri, um dia após golpe de Estado - Souleymane Camara/Reuters
Soldados da Guiné patrulham ruas da capital, Conacri, um dia após golpe de Estado Imagem: Souleymane Camara/Reuters
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

07/09/2021 04h20

A interrupção e o posterior cancelamento do clássico entre Brasil e Argentina, no último domingo, por questões sanitárias relativas à pandemia, não foi o único fator extracampo que impactou o andamento das rodadas de setembro das eliminatórias da Copa do Mundo-2022.

Na África, um golpe de Estado ocorrido em Guiné interrompeu a participação da seleção no qualificatório e deve bagunçar a disputa pelas vagas do continente no torneio que será jogado no Qatar no próximo ano.

No domingo, um grupo de militares liderados pelo tenente-coronel Mamady Doumbuya destituiu o presidente Alpha Condé, recém-eleito para um terceiro mandato, fechou todas as fronteiras do país e anunciou que a constituição nacional não tem mais valor legal por lá.

O ataque, condenado pela comunidade internacional e que levou à prisão de Condé, provocou o adiamento por período indefinido da partida entre a seleção guineana e Marrocos, originalmente prevista para ontem, válida pelo Grupo I da penúltima fase das eliminatórias.

Os dois próximos compromissos de Guiné no torneio, contra o Sudão, previstos para o próximo mês, também estão sob dúvida e dependerão da evolução da situação política e da existência de segurança no país.

A delegação marroquina, que estava em Conakri para o jogo de ontem, precisou ficar escondida em um hotel da capital guineense enquanto ouvia tiros e confrontos do lado de fora, mas conseguiu deixar a nação antes da destituição do presidente e do completo êxito golpista.

Já os jogadores de Guiné não conseguiram agir na mesma velocidade e, por conta do fechamento das fronteiras, estão proibidos de deixar o país até receberem um aval do novo governo.

A maioria absoluta dos convocados para a Data Fifa de setembro joga e vive na Europa. Fazem parte desse grupo o capitão Naby Keita, do Liverpool, o meio-campista Amadou Diawara, da Roma, e o zagueiro Florentin Pogba, que defende o Sochaux e é o irmão mais velho do astro francês Paul Pogba, do Manchester United.

Antes do golpe e da paralisação de suas atividades nas eliminatórias, a seleção de Guiné, que jamais disputou uma Copa do Mundo, só havia disputado uma partida pela fase de grupos da competição: 1 a 1 contra Guiné-Bissau, fora de casa, na semana passada.

O qualificatório africano ainda tem 40 equipes vivas na briga pela classificação. Os vencedores de cada uma das dez chaves passarão para um mata-mata que definirá os donos das cinco vagas concedidas ao continente no torneio.

Com o calendário prejudicado por conta de vários adiamentos devido à pandemia, as eliminatórias ainda não decidiram nenhuma seleção classificada para o Mundial do próximo ano. Sendo assim, o Qatar, país-sede, é o único participante já confirmado na competição.

A Copa-2022 será disputada fora do seu período habitual por causa do calor que faz no Oriente Médio no meio do ano. Por isso, o torneio começará no dia 21 de novembro e tem a final marcada para 18 de dezembro.

Essa será a última edição do torneio da Fifa com o formato que vem sendo utilizado desde a França-1998, com a presença de 32 seleções. A partir do próximo Mundial, que será disputado em 2026 na América do Norte (Estados Unidos, México e Canadá), serão 48 participantes.