PUBLICIDADE
Topo

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

"Xodó" inglês na Euro pode virar mais caro da história da Premier League

Jack Grealish pode ir para o Manchester City por quase R$ 700 milhões - Chris Brunskill/Fantasista/Getty Images
Jack Grealish pode ir para o Manchester City por quase R$ 700 milhões Imagem: Chris Brunskill/Fantasista/Getty Images
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

03/07/2021 04h00

A torcida da Inglaterra foi à loucura quando Gareth Southgate resolveu tirar Jack Grealish do banco para decidir a partida contra a Alemanha. E o meia-atacante retribuiu o desejo popular participando ativamente dos dois gols que classificaram o English Team para as quartas de final da Eurocopa.

Contra a Ucrânia, a partir das 16h (de Brasília) de hoje, no estádio Olímpico de Roma (Itália), o camisa 7 deve ser promovido à equipe titular e terá a chance de mostrar mais uma vez porque é o novo queridinho dos fãs do país que inventou o futebol.

O jogo, que vale vaga nas semifinais do torneio continental, será também a oportunidade de Grealish provar ao mundo que merece se transformar no jogador mais caro da história do Campeonato Inglês, o mais rico do planeta.

Aos 25 anos e vivendo o melhor momento de sua carreira, a jovem estrela está prestes a trocar o Aston Villa pelo Manchester City em um negócio que, de acordo com diferentes veículos da imprensa inglesa, deve alcançar a marca de 116 milhões de euros (R$ 694 milhões).

Se a transferência realmente sair do papel, Grealish superará o recorde da Premier League (105 milhões de euros, pagos pelo Manchester United por Paul Pogba, em 2016) e se tornará o oitavo atleta do futebol mundial mais caro de todos os tempos.

A contratação do camisa 7 da seleção inglesa é um pedido pessoal do técnico Pep Guardiola, que já se definiu publicamente como um "grande fã" da capacidade do jogador de criar jogadas ofensivas e desequilibrar partidas.

Formado nas categorias de base do próprio Villa, Grealish marcou seis gols e deu 12 assistências na última temporada do Inglês. Isso equivale a uma participação efetiva em quase um terço dos 55 tentos anotados por sua equipe.

O novo queridinho da torcida inglesa chegou a defender as seleções menores da Irlanda quando mais novo. Ele só estreou no English Team há menos de um ano e participou de apenas dez partidas oficiais desde então.

Além da qualidade técnica acima da média, uma outra característica de Grealish também o ajudou a se tornar extremamente popular na Inglaterra: um visual que o distingue dos outros jogadores.

O capitão do Villa usa um corte de cabelo todo diferentão, semelhante ao de uma fase de David Beckham, um dos seus antecessores com a camisa 7 da seleção inglesa. Também não depila as pernas, ao contrário da maioria dos atletas profissionais de futebol.

Por fim, está sempre com os meiões baixos, no meio das canelas, com parte das caneleiras para fora. De acordo com Grealish, essa não é uma mera questão de estilo, mas sim uma necessidade devido ao tamanho das suas panturrilhas, que ficam apertadas demais quando cobertas por meiões.

Além da partida entre Inglaterra e Ucrânia, o segundo e último dia das quartas de final da Eurocopa terá o encontro entre tchecos e dinamarqueses. Os vencedores dos dois confrontos programados para hoje se enfrentarão em uma das semifinais.

O sucessor de Portugal no posto de campeão europeu de seleções será conhecido no dia 11 de julho. O estádio de Wembley, em Londres (Inglaterra), receberá a decisão.

Originalmente, o torneio era para ter sido disputado no meio do ano passado. No entanto, a pandemia da covid-19 fez com que ele fosse adiado em 12 meses.

A novidade desta edição é que não há uma sede fixa. Para comemorar os 60 anos do continental, a Uefa decidiu realizar a competição em 11 cidades espalhadas por 11 países diferentes (alguns que nem classificaram suas seleções).

Além da Inglaterra, sede da última partida, a Euro-2020 (sim, ela manteve esse nome mesmo com o adiamento da data) também está passando por Itália, Azerbaijão, Dinamarca, Alemanha, Escócia, Espanha, Hungria, Holanda, Romênia e Rússia.