PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Qual é a relação entre lateral da Inglaterra na Eurocopa e o Corinthians?

Ben Chilwell é neto de ex-jogador do "Corinthians" inglês - Getty Images
Ben Chilwell é neto de ex-jogador do "Corinthians" inglês Imagem: Getty Images
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

18/06/2021 04h00

Depois de não participar da estreia da Inglaterra na Eurocopa, o lateral esquerdo Ben Chilwell pretende ir a campo na partida de hoje (18), contra a Escócia, às 16h (de Brasília), pela segunda rodada do Grupo D, para ter a oportunidade de homenagear um ex-jogador corintiano.

O vencedor da recém-encerrada temporada 2020/2021 da Liga dos Campeões pelo Chelsea é neto de Guy Shuttlerworth, que foi jogador de futebol durante a década de 1940 e vestiu a camisa do Corinthian-Casuals.

O nome semelhante ao do Corinthians brasileiro não é uma mera coincidência. Foi essa equipe inglesa, famosa internacionalmente por jamais ter abandonado o amadorismo e permanecer até hoje fiel aos seus princípios, quem inspirou a fundação do clube do Parque São Jorge.

Essa história aconteceu lá no início do século passado, em 1910, quando o Corinthian inglês realizou uma excursão pelo Brasil e encantou cinco operários do bairro do Bom Retiro, em São Paulo, que decidiram homenageá-lo com um novo time de futebol.

Shuttlerworth defendeu o Casuals enquanto ainda era estudante da Universidade de Cambridge e chegou a jogar uma partida pela seleção inglesa amadora em 1949. Na época, ele se dividia entre as aulas, os jogos de futebol e também as competições de críquete, seu esporte número um.

Avô materno de Chilwell, o ex-atleta poliesportivo morreu em janeiro, aos 94 anos, sem realizar (por alguns meses) um dos seus maiores sonhos: ver o neto disputando uma competição de primeira linha com a camisa da Inglaterra.

O lateral estreou pela seleção principal em setembro de 2018, logo depois da Copa do Mundo da Rússia, e foi titular da equipe comandada por Gareth Southgate durante boa parte do último ciclo.

No entanto, como precisou esticar um pouco mais a sua temporada no Chelsea por causa da final da Champions, Chilwell não participou da reta final da preparação inglesa para a Eurocopa e nem foi relacionado para a estreia na competição.

Na vitória sobre a Croácia, no último domingo, quem ocupou a lateral esquerda foi Kieran Trippier, do Atlético de Madri, que normalmente joga pela direita. A outra opção para a posição, Luke Shaw, do Manchester United, ficou no banco.

Os ingleses empatados em pontos com a República Tcheca, que derrotou a Escócia na primeira rodada, na liderança da chave (perdem no saldo de gols). As duas seleções se enfrentam na última rodada.

O sucessor de Portugal no posto de campeão europeu de seleções será conhecido no dia 11 de julho. O estádio de Wembley, em Londres (Inglaterra), receberá a decisão.

Originalmente, o torneio era para ter sido disputado no meio do ano passado. No entanto, a pandemia da covid-19 fez com que ele fosse adiado em 12 meses.

A novidade desta edição é que não há uma sede fixa. Para comemorar os 60 anos do continental, a Uefa decidiu realizar a competição em 11 cidades espalhadas por 11 países diferentes (alguns que nem classificaram suas seleções).

Além da Inglaterra, sede da última partida, a Euro-2020 (sim, ela manteve esse nome mesmo com o adiamento da data) também passará por Itália, Azerbaijão, Dinamarca, Alemanha, Escócia, Espanha, Hungria, Holanda, Romênia e Rússia.