PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Por que Haaland "esfriou" no mercado da bola e deve continuar no Dortmund?

Haaland é um dos jogadores mais desejados do Mercado da Bola atual - Alexandre Simoes/Borussia Dortmund via Getty Images
Haaland é um dos jogadores mais desejados do Mercado da Bola atual Imagem: Alexandre Simoes/Borussia Dortmund via Getty Images
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

09/05/2021 04h00

Artilheiro desta edição da Liga dos Campeões da Europa, com dez gols, e figurinha carimbada na lista de desejos de vários dos clubes mais poderosos do mundo, Erling Haaland tinha tudo para ser um dos protagonistas da próxima janela de transferências.

Mas, apesar de o Borussia Dortmund ainda correr risco de não conseguir a classificação para a Champions, é cada vez menos provável que o centroavante norueguês de 20 anos troque de time no segundo semestre.

O jogo duro feito pela diretoria alemã, que tem prometido publicamente que não há dinheiro no mundo que os convença a negociar o jovem astro ao término da atual temporada, assustou Manchester City, Real Madrid, Barcelona, Chelsea e os outros interessados no jogador.

Especialmente em um cenário de crise econômica provocada pela pandemia da Covid-19, nenhum deles parece disposto a testar se o discurso é verdadeiro, ou se não passa de uma mera bravata para alegrar torcedores.

De acordo com o jornal espanhol "Marca", o Dortmund só aceitaria ceder em sua decisão se recebesse uma proposta entre 180 e 200 milhões de euros (até R$ 1,3 bilhão), o que poderia fazer do goleador o segundo jogador mais caro da história do futebol.

Só que, a partir do próximo ano, será possível contratá-lo por um valor bem mais baixo: "apenas" 75 milhões de euros (R$ 477,8 milhões). Essa é a cláusula de rescisão prevista no contrato do norueguês com o clube germânico. No entanto, ela só pode ser acionada depois de junho de 2022.

A soma desses dois fatores (a falta de disposição do Dortmund de abrir negociações e a possibilidade de obter um reforço de peso por um valor abaixo do mercado) tem feito os grandes clubes da Europa adiarem o desejo de contratar o camisa 9.

No começo de abril, o pai do centroavante, Alf-Inge Haaland, ex-jogador da seleção norueguesa, e o empresário Mino Raiola (o mesmo de Paul Pogba e Zlatan Ibrahimovic) viajaram à Espanha para conversar com Barcelona e Real Madrid sobre uma possível transferência. As diretorias de City e Chelsea também foram contatadas pela dupla nos últimos meses.

Manchester United, Paris Saint-Germain, Juventus e Bayern de Munique foram outros clubes apontados por diferentes veículos da imprensa europeia como candidatos a contratar o norueguês. Mas nunca houve confirmação de que eles conversaram com o estafe de Haaland.

O atacante está apenas em sua segunda temporada atuando no primeiro escalão da Europa, mas já é tratado como um fenômeno. Afinal, sua média na Champions, o campeonato interclubes mais importante do planeta, é superior a um gol por jogo: foram 20 em 16 partidas.

Nesta edição, Haaland marcou dez vezes e parou nas quartas de final. A menos que o francês Olivier Giroud, do Chelsea, faça cinco gols na final contra o City, o norueguês quebrará o recorde de Lionel Messi e será o artilheiro mais jovem da história do torneio.

O problema é que o Dortmund está ameaçado de não dar as caras na próxima Champions. O time aurinegro briga com Wolfsburg e Eintracht Frankfurt pelas duas últimas vagas da Alemanha na competição.

O Bayern já assegurou a conquista de mais um título da Bundesliga, seu nono consecutivo, enquanto o RB Leipzig, vice-líder da competição, está com a classificação praticamente assegurada a duas rodadas do fim da temporada.