PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Os 7 maiores vexames protagonizados pelo futebol brasileiro neste século

Jogadores da seleção brasileira choram após 7 a 1 para Alemanha - Buda Mendes/Getty Images
Jogadores da seleção brasileira choram após 7 a 1 para Alemanha Imagem: Buda Mendes/Getty Images
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

09/02/2021 04h00

A derrota por 1 a 0 para o Tigres, no domingo, que tirou o Palmeiras da briga pelo título do Mundial de Clubes da Fifa 2020 e o jogou para a disputa do terceiro lugar levantou a dúvida: teria o time comandado por Abel Ferreira dado vexame no Qatar?

As opiniões se dividiram, é claro. Mas, tanto nas redes sociais quanto entre os especialistas foi mais comum encontrar os defensores de que o resultado foi completamente normal do que aqueles que pregam que o clube brasileiro passou vergonha ante os mexicanos.

Mas, em algumas partidas, nem existe espaço para essas ideias conflitantes. O fracasso é tão evidente que acaba sendo inquestionável.

O "Blog do Rafael Reis" relembra abaixo as sete maiores vergonhas que o futebol brasileiro, com sua seleção e também com os clubes, protagonizou ao longo deste século.

BRASIL 1 x 7 ALEMANHA
08/07/2014
Copa do Mundo

A maior derrota da seleção brasileira na história das Copas do Mundo foi tão impactante que transformou "7 a 1" em uma expressão bastante utilizada por nossa população quando deseja mostrar as mazelas do nosso país ou compará-lo com outras nações. A goleada aplicada pela Alemanha há seis anos e meio foi simplesmente sádica. Afinal, ninguém imaginava que a seleção mais vitoriosa do futebol em todos os tempos conseguiria sofrer sete gols em uma partida de semifinal de Mundial, fase em que normalmente só restam os times mais fortes, e, para piorar, dentro de casa. Nem mesmo a ausência de Neymar, melhor jogador brasileiro da época, diminuiu o peso do vexame, que ainda aparece como um carimbo ao lado de nomes como Luiz Felipe Scolari, Carlos Alberto Parreira e David Luiz.

BRASIL 0 x 2 HONDURAS
23/07/2001
Copa América

Brasil x Honduras (Copa América de 2001) - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Felipão, curiosamente o mesmo técnico do 7 a 1, havia acabado de assumir o comando da seleção e já tinha uma bomba pela frente: levar para a Copa América um time que vinha acumulando tropeços nas eliminatórias e gozava de total desconfiança dos torcedores. Mesmo com essa falta de crédito, ninguém imaginava que o Brasil conseguiria a proeza de ser eliminado da competição por Honduras, seleção que só havia participado de uma Copa do Mundo até então e que havia ido à Colômbia como convidada da organização. Mas a zebra correu solta. E uma derrota por 2 a 0, com direito a gol contra de Belletti, fez os ainda tetracampeões mundiais serem eliminados ainda nas quartas de final.

INTERNACIONAL 0 x 2 MAZEMBE
14/12/2010
Mundial de Clubes

Robert Kidiaba entrou para a história como goleiro do TP Mazembe - Reuters - Reuters
Imagem: Reuters

Dizem que a primeira vez é inesquecível, né? Pois até o Internacional ser surpreendido pelo Mazembe, um time da República Democrática do Congo que quase nenhum brasileiro conhecia, o campeão da Libertadores jamais havia sido derrotado antes da decisão do Mundial de Clubes da Fifa. Por isso, o 2 a 0 aplicado pelos africanos sobre os brasileiros entrou para a história. Até hoje, mais de uma década depois da partida, as redes sociais ainda comemoram os aniversários do "Mazembe Day" e publicam imagens da folclórica comemoração do goleiro Robert Kidiaba. Depois de perder na semifinal, o Inter pelo menos bateu o Seongnam, da Coreia do Sul, e ficou com a terceira posição do torneio.

ATLÉTICO-MG 1 x 3 RAJA CASABLANCA
18/12/2013
Mundial de Clubes

Atlético-MG x Raja Casablanca (Mundial de Clubes) - AP - AP
Imagem: AP

Normalmente, o representante do país-sede não passa de um mero figurante no Mundial de Clubes. Afinal, ao contrário de todos os outros participantes, ele não conquistou um título continental, mas "apenas" levantou a taça de campeão nacional. O Atlético-MG, de Ronaldinho Gaúcho, Diego Tardelli e cia, acreditou que a semifinal contra o Raja Casablanca era só mais um passo natural rumo à decisão contra o Bayern de Munique, mas caiu do cavalo. Os brasileiros saíram atrás no marcador, mas logo conseguiram o empate. Só que a prudência ficou de lado. O Atlético achou que conseguiria a virada e se lançou com tudo ao ataque. Bagunçado, deixou a defesa desprotegida, sofreu dois gols nos últimos dez minutos e voltou para casa cheio de vergonha.

TOLIMA 2 x 0 CORINTHIANS
02/02/2011
Libertadores

Tolima - Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians - Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians
Imagem: Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Outra primeira vez que entrou para a história. Mesmo reforçado por dois dos maiores astros que o futebol brasileiro produziu nas últimas décadas, Ronaldo e Roberto Carlos, o Corinthians conseguiu a proeza de ser o primeiro time do país a ser eliminado nas fases preliminares da Libertadores. E o algoz alvinegro não foi nenhum clube tradicional da América do Sul, daqueles que eventualmente fazem bonito na competição continental, mas, sim, o Tolima, um clube que não está nem entre os mais poderosos da Colômbia. O impacto do tropeço foi tão grande que antecipou a aposentadoria do Fenômeno e fez Roberto Carlos se mudar para a Rússia. Curiosamente, o técnico Tite foi mantido no cargo e, no ano seguinte, levou o time à conquista inédita da Libertadores.

SÃO PAULO 0 x 0 TALLERES
13/02/2019
Libertadores

Hernanes encara marcação argentina contra o Talleres na Libertadores - Daniel Vorley/AGIF - Daniel Vorley/AGIF
Imagem: Daniel Vorley/AGIF

Depois do fiasco protagonizado pelo Corinthians em 2011, as derrotas brasileiras antes da fase de grupos da Libertadores deixaram de ser um tabu e têm se tornado cada vez mais normais. Mesmo assim, o torcedor são-paulino se revoltou bastante quando viu seu time perder um mata-mata preliminar para o Talleres, clube que não figura na lista das grandes forças do futebol argentino. O fracasso tricolor começou a ser construído longe de casa, com a derrota por 2 a 0. No Morumbi, mesmo com uma escalação muito ofensiva, o time dirigido por André Jardine não foi capaz de fazer um mísero gol e empatou por 0 a 0. Depois da partida, houve protestos na saída do estádio.

BARCELONA 8 x 0 SANTOS
02/08/2013
Troféu Joan Gamper

Barcelona x Santos (Joan Gamper) - José Jordán/AFP - José Jordán/AFP
Imagem: José Jordán/AFP

Normalmente, um amistoso não vale muita coisa. Mas quando você é goleado por 8 a 0, mesmo que seja em um jogo-treino, a história é diferente. O Santos havia acabado de vender Neymar para o Barcelona e recebeu, como parte do pagamento pela transação, um convite para disputar o Troféu Joan Gamper, uma partida amistosa que marca o início da temporada do clube catalão. Só que o desfecho foi trágico, e o Barça aplicou simplesmente a vitória mais elástica da história desse "torneio". Dois anos antes, o Santos já havia levado 4 a 0 dos espanhóis na final do Mundial de Clubes. Naquela ocasião, o placar parecia ter sido "pequeno demais" para o que havia sido a partida. Pois bem, no reencontro, Messi e cia. trataram de dobrar o vexame.