PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Conheça os brasileiros mais caros vendidos pelos maiores clubes da Europa

Agora no Everton, Allan é a maior venda de brasileiro já feita pelo Napoli - Divulgação
Agora no Everton, Allan é a maior venda de brasileiro já feita pelo Napoli Imagem: Divulgação
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

25/09/2020 04h20

Em uma janela de transferências marcada pela contenção de gastos em virtude da crise econômica provocada pela pandemia do coronavírus (Covid-19), o caso do meio-campista Allan é exceção.

Depois de oito anos atuando na Itália, o jogador que também defende a seleção foi negociado com o Everton por 25 milhões de euros (R$ 162,8 milhões) e entrou para a história do Napoli.

Afinal, nunca a equipe do sul da "Bota" havia faturado tanto com a transação de um representante do país mais vitorioso da história do futebol. Até então, a maior venda de um brasileiro feita pelo clube havia sido a transação do ex-zagueiro André Cruz com o Milan, em 1997, pelo equivalente a 3 milhões de euros (R$ 19,5 milhões, na cotação atual).

Dos 19 times estrangeiros (todos pertencentes ao primeiro escalão da Europa) que tiveram seu histórico de transferências analisados pelo "Blog do Rafael Reis", o Napoli é o único que conseguiu quebrar esse recorde na atual edição do Mercado da Bola.

A segunda marca histórica mais recente é a do Porto, que faturou 50 milhões de euros (R$ 325,5 milhões no ano passado com a ida do zagueiro Éder Militão para o Real Madrid.

Mas há recordes bem mais antigos, como o do Borussia Dortmund, estabelecido em 2001, com o ex-lateral direito Evanilson, e o da Inter de Milão, que data de 2002, quando Ronaldo Fenômeno foi negociado com o Real Madrid.

A maior venda já feita de um jogador brasileiro é também a transação mais cara que o mundo já viu envolvendo atletas de qualquer nacionalidade. Em 2017, o Barcelona negociou Neymar com o Paris Saint-Germain por 222 milhões de euros (R$ 1,4 bilhão).

Para se ter uma ideia do volume de dinheiro que foi movimentado na transação do camisa 10, na atual temporada nenhum negócio ultrapassou a barreira dos 80 milhões de euros (preço do alemão Kai Havertz, que deixou o Bayer Leverkusen para jogar no Chelsea).

A pandemia também mexeu o calendário das janelas de transferência na Europa, que normalmente fecham no começo de setembro, mas que estenderam seus prazos neste ano. Com isso, ainda é possível que novos recordes sejam quebrados, mesmo com a escassez de dinheiro que está rolando no mercado.

Dos principais campeonatos nacionais do Velho Continente, os primeiros a encerrar o período liberado para transações serão o Alemão, o Francês, o Espanhol e o Italiano, em 5 de outubro. Na Inglaterra, as contratações estão liberadas até o dia 16. E Portugal só vai fechar sua janela em 25 do próximo mês.

A maior venda de brasileiro de cada clube (em euros)

BARCELONA: Neymar (2017, Paris Saint-Germain), 222 milhões
LIVERPOOL: Philippe Coutinho (2018, Barcelona), 160 milhões
MILAN: Kaká (2009, Real Madrid), 67 milhões
ROMA: Alisson (2018, Liverpool), 62,5 milhões
CHELSEA: Oscar (2017, Shanghai SIPG), 60 milhões
PORTO: Éder Militão (2019, Real Madrid), 50 milhões
INTER DE MILÃO: Ronaldo (2002, Real Madrid), 45 milhões
REAL MADRID: Robinho (2008, Manchester City), 43 milhões
BAYERN: Douglas Costa (2018, Juventus), 40 milhões
BENFICA: Ederson (2017, Manchester City), 40 milhões
PARIS SAINT-GERMAIN: David Luiz (2016, Chelsea), 35 milhões
NAPOLI: Allan (2020, Everton), 25 milhões
ATLÉTICO DE MADRI: Filipe Luís (2014, Chelsea), 20 milhões
MANCHESTER CITY: Robinho (2010, Milan), 18 milhões
BORUSSIA DORTMUND: Evanilson (2001, Parma), 17 milhões
JUVENTUS: Emerson (2006, Real Madrid), 16 milhões
TOTTENHAM: Paulinho (2015, Guangzhou Evergrande), 14 milhões
ARSENAL: Gabriel Paulista (2017, Valencia), 11 milhões
MANCHESTER UNITED: Rafael (2015, Lyon), 3,2 milhões

Fonte: Transfermarkt