PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Surpresa da Champions, Tolói admite PSG favorito e chama Neymar de "genial"

Rafael Tolói em ação pela Atalanta, time sensação da Liga dos Campeões - Divulgação/Atalanta
Rafael Tolói em ação pela Atalanta, time sensação da Liga dos Campeões Imagem: Divulgação/Atalanta
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

10/08/2020 04h00

Rafael Tolói está a cerca de 48 horas de disputar a partida mais importante de sua carreira. Na quarta-feira, o zagueiro brasileiro terá a missão de tentar anular Neymar e prolongar o sonho vivido pela Atalanta.

A modesta equipe italiana, que jamais foi campeã nacional, está em sua primeira participação na Liga dos Campeões. E, mesmo assim, já conseguiu se meter entre as oito melhores equipes da Europa nesta temporada.

Mas agora o desafio será medir forças com o Paris Saint-Germain, um dos projetos mais caros e ambiciosos do futebol mundial. O que está em jogo é a cobiçada vaga para as semifinais da competição continental.

"O PSG é uma equipe montada justamente para conseguir vencer a Champions League e é normal o favoritismo deles. Sabemos da qualidade que tem o time deles, mas estamos bem preparados para esse duelo. Não há dúvidas que será um grande jogo", afirmou o defensor de 29 anos, em entrevista ao "Blog do Rafael Reis".

Na Itália desde 2014, o ex-jogador do São Paulo e do Goiás sabe que fazer ainda mais história com a camisa da Atalanta pode aproximá-lo de um outro objetivo, desta vez pessoal: vestir a camisa amarela da seleção brasileira.

"Nunca escondi que tenho esse sonho (...). Tenho trabalhado firme para isso, porém o mais importante é seguir bem aqui no Atalanta", disse.

Além dos italianos e dos campeões franceses, Manchester City, Lyon, RB Leipzig, Atlético de Madri, Barcelona e Bayern de Munique também continuam vivos na briga pelo troféu interclubes mais cobiçado do futebol mundial.

O "Final 8" da Champions começa na quarta, justamente com o confronto entre Atalanta e PSG, e será todo disputado em Lisboa, capital portuguesa, em virtude da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

O campeão europeu de 2019/20 será conhecido no dia 23 de agosto. A decisão será jogada no estádio da Luz, mesmo palco do próximo compromisso em que Tolói tentará superar Neymar, adversário que considera "genial".

Rafael Tolói - Divulgação/Atalanta - Divulgação/Atalanta
Imagem: Divulgação/Atalanta

VEJA A ÍNTEGRA DA ENTREVISTA

A primeira pergunta é mais simples e a mais complicada. Qual é o segredo desta Atalanta? Como ela conseguiu, com um orçamento não tão alto assim, fazer sucesso na Itália e chegar nas quartas de final da Liga dos Campeões?
Acho que não existe segredo. Temos um clube muito bem estruturado com pensamento de sempre em melhorar. Somos um grupo de jogadores que jogam juntos há um bom tempo e com qualidade, e um treinador inteligente com um estilo jogo importante que vem fazendo a diferença nos últimos anos.

Qual foi o momento desta temporada que você sentiu que estava em um time que faria história?
Acho que esse trabalho vem sendo feito bem não só nesse ano, mas já há um bom tempo. Ter a possibilidade de estar onde estamos hoje é uma satisfação muito grande e aumenta ainda mais o desejo de cada vez melhorar e almejar resultados importantes.

Talvez nenhuma cidade do mundo tenha sofrido tanto com a Covid quanto Bergamo. Como isso atingiu o elenco da Atalanta?
O que passamos em Bergamo ninguém pode imaginar, somente estando aqui para entender. Sofremos muito e foi um momento muito duro e difícil para todos nós. Tenho amigos que perderam familiares e sofri com todos eles. Bergamo merece tudo que a de melhor e quando entramos em campo jogamos por todos eles que amam a Atalanta.

Esse é o melhor momento da sua carreira: sim ou com certeza?
Tive ótimos momentos tanto no Goiás quanto no São Paulo, onde fui campeão em ambas equipes, mas creio que aqui no Atalanta tem sido especial. Estou completando minha quinta temporada no clube e realmente estou passando pelo meu melhor momento da carreira. Sempre fui um jogador que nunca me acomodei e tento me superar cada vez mais, e acho que isso que me faz crescer.

A gente sabe que a zaga é um dos setores mais envelhecidos da seleção brasileira atualmente. Até por causa desse cenário, não acha que já deveria ter sido testado pelo Tite?
Nunca escondi que tenho esse sonho de defender a camisa da seleção brasileira, mas tudo tem seu momento. Além do mais, o esquema tático usado pelo Tite é diferente da forma em que jogamos com o Gasperini, onde atuamos sempre com três zagueiros. Mas eu tenho trabalhado firme para isso, porém o mais importante é seguir bem aqui no Atalanta.

Você também possui cidadania italiana, né? Sendo assim, aceitaria uma convocação da Azzurra?
Sim, tenho a cidadania italiana e essa é minha sexta temporada na Itália. Estou bem ambientado e me sinto em casa, mas entendo que é justo serem convocados os jogadores que nasceram no seu país. Tenho muitas partidas com a Seleção Brasileira de base e isso pesa também, mas uma possibilidade de defender as cores italianas seria interessante. Tudo tem que ser pensado bem.

Na Atalanta, você não é só um zagueiro, mas também um cara que participa ativamente da transição defesa-ataque. Considera que essa característica foi na qual você mais evoluiu na Itália?
Sem dúvidas. Acho que desde que cheguei na Itália, eu melhorei muito ofensivamente e meus números até comprovam isso. Quando jogava no Brasil eu já tinha um pouco dessa característica de chegada ao ataque, mas creio que aqui eu aperfeiçoei ainda mais essa minha qualidade.

Você é, disparado, o jogador da Atalanta que mais enfrentou o Neymar até hoje. Gasperini já conversou com você sobre ele e pediu algumas dicas/sugestões?
Não chegamos a conversar sobre isso, ainda estamos trabalhando duro e toda a comissão técnica está fazendo um trabalho com imagens para conhecermos bem as características de todos os jogadores do PSG. As partidas que enfrentei o Neymar ele já era genial, não tem dicas e sugestões, temos que nos preparar bem para impossibilita-lo o máximo de criar as jogadas. Sabemos que não será fácil, mas estamos nos preparando para fazer um grande jogo.

Muita gente aqui no Brasil considera que o PSG é favorito no confronto contra vocês. Você também pensa assim?
O PSG é uma equipe montada justamente para conseguir vencer a Champions League e é normal o favoritismo deles. Sabemos da qualidade que tem o time deles, mas estamos bem preparados para esse duelo. Não há dúvidas que será um grande jogo.

A Atalanta está a 3 jogos de conquistar a Liga dos Campeões. Essa ficha já caiu? Considera que é um feito possível para vocês?
É uma alegria imensa em nossa primeira participação na Champions League chegar de cara nas quartas de final. Acho que tudo pode acontecer nessa altura do campeonato, ainda mais que nesse novo formato não teremos o jogo de volta. Estamos nos preparando bem para essa partida que para nós é muito especial. Queremos continuar fazendo grandes jogos.