PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

Mercado da Bola já movimentou R$ 8 bi; conheça os 10 brasileiros mais caros

Dudu assina contrato com Al Duhail, do Qatar - Reprodução/AlKass Sports Channels
Dudu assina contrato com Al Duhail, do Qatar Imagem: Reprodução/AlKass Sports Channels
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

21/07/2020 04h20

O futebol brasileiro pode até não ser o mais temido do planeta na atualidade. Mesmo assim, os jogadores nascidos no único país pentacampeão mundial estão em alta no Mercado da Bola global.

Mais de 11% de todo o dinheiro movimentado na atual janela de transferências está ligado a transações (compras de direitos econômicos ou empréstimo) envolvendo atletas aptos a vestir a camisa amarelinha.

De acordo com o "Transfermarkt", site especializado no comércio de jogadores de futebol, os clubes do planeta todo investiram 1,3 bilhão de euros (R$ 8 bilhões) em reforços para a próxima temporada. Desse total, 147 milhões de euros (R$ 901 milhões) foram gastos em compatriotas de Neymar, Alisson e Gabriel Jesus.

Não à toa, um brasileiro lidera o ranking de contratação mais próxima desta janela de transferências: o meia Arthur vai trocar o Barcelona pela Juventus, em negócio declarado em 72 milhões de euros (R$ 444,2 milhões) - ainda que apenas 12 milhões (R$ 74 milhões) serão pagos em dinheiro.

Outros dois atletas do país protagonizaram negócios que ultrapassaram a barreira dos 10 milhões de euros (R$ 61,7 milhões): o meia Pedrinho, ex-Corinthians, que agora será dirigido por Jorge Jesus no Benfica, e o atacante Antony, que deixou o São Paulo para defender o Ajax.

Apenas duas das dez transferências mais caras envolvendo brasileiros nesta janela têm um clube do país como comprador. E, curiosamente, ambas foram efetuadas pelo Atlético-MG.

O time dirigido pelo técnico argentino Jorge Sampaoli gastou 5,2 milhões de euros (R$ 32,1 milhões) para adquirir os direitos econômicos de Nathan (ex-Chelsea) e Keno (ex-Pyramids).

No ano passado, o Mercado da Bola de junho/julho/agosto foi o maior da história do futebol e movimentou cerca de 7 bilhões de euros (R$ 43,2 bilhões, na cotação atual).

Esse valor dificilmente será alcançado neste ano devido aos efeitos econômicos provocados pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Também devido à proliferação do vírus, os períodos para negócios também tiveram suas datas alteradas.

Ao contrário do que normalmente ocorre nos países do primeiro escalão da Europa, a janela de transferências desta vez não será fechada no fim de agosto. Inglaterra e França permitirão o registro de novos jogadores até meados de setembro. Já Alemanha, Itália, Portugal e Espanha estenderam os prazos para transações por um mês mais, até outubro.

Os 10 brasileiros mais caros da janela de transferências

1 - Arthur (Juventus) - 72 milhões de euros
2 - Pedrinho (Benfica) - 20 milhões de euros
3 - Antony (Ajax) - 15,8 milhões de euros
4 - Robson Bambu (Nice) - 8 milhões de euros
5 - Dudu (Al-Duhail) - 7 milhões de euros
6 - Yan Couto (Manchester City) - 6 milhões de euros
7 - Arthur Cabral (Basel) - 4,4 milhões de euros
8 - Nathan (Atlético-MG) - 3 milhões de euros
9 - Keno (Atlético-MG) - 2,2 milhões de euros
10 - Alex Santana (Ludogorets) - 780 mil euros

Os 10 reforços mais caros

1 - Arthur (BRA, Juventus) - 72 milhões de euros
2 - Miralem Pjanic (BOS, Barcelona) - 60 milhões de euros
3 - Álvaro Morata (ESP, Atlético de Madri) - 56 milhões de euros
4 - Timo Werner (ALE, Chelsea) - 53 milhões de euros

5 - Mauro Icardi (ARG, Paris Saint-Germain) - 50 milhões de euros
6 - Leroy Sané (ALE,
Bayern de Munique) - 49 milhões de euros
7 - Achraf Hakimi (LD, Inter de Milão) - 40 milhões de euros
Hakim Ziyech (MAR, Chelsea) - 40 milhões de euros
9 - Giovani Lo Celso (ARG, Tottenham) - 32 milhões de euros
10 - Francisco Trincão (POR, Barcelona) - 31 milhões de euros

TOTAL DA JANELA: 1,3 bilhão de euros

Fonte: Transfermarkt