PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Rafael Reis


Maior salário do Real, Bale tem clima de férias e joga 100 minutos em 1 mês

Sem jogar, Bale cobre os olhos com máscara durante partida do Real Madrid - Reprodução/Gol
Sem jogar, Bale cobre os olhos com máscara durante partida do Real Madrid Imagem: Reprodução/Gol
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

16/07/2020 04h00

Classificação e Jogos

Mesmo sem entrar em campo, Gareth Bale bombou nas redes sociais durante as duas últimas partidas do Real Madrid. Na vitória sobre o Alavés, na sexta-feira (10), foi flagrado no banco de reservas com uma máscara nos olhos, como se estivesse cochilando. No triunfo sobre o Granada, na segunda (13), ficou brincando com uma folha de papel na arquibancada.

Dono do maior salário do elenco merengue, com ganhos na casa de 15 milhões de euros (R$ 92 milhões) por ano, o galês vive um clima de férias no clube que pode conquistar hoje o título do Campeonato Espanhol.

Escanteado pelo técnico Zinédine Zidane, o camisa 11 só participou de duas das nove partidas que os madrilenos disputaram desde a competição retornou da paralisação por conta da pandemia do novo coronavírus, há cerca de um mês.

Nos últimos 32 dias, para ser mais preciso, o atacante esteve em campo durante apenas 100 minutos: foram 29 contra o Eibar, em 14 de junho, e mais 71 ante o Mallorca, quando foi titular, dez dias depois.

Nada menos que seis jogadores (Lucas Vázquez, Rodrygo, Marco Asensio, Vinícius Júnior, Eden Hazard e Isco) com quem ele disputa posição atuaram mais que o astro no período. O único atacante de lado de campo que teve ainda menos oportunidades foi o jovem Brahim Díaz, aproveitado durante oito minutos.

"Bale é um dos nossos. Tentam colocar muitas coisas entre nós, mas não vão conseguir. Estamos unidos, pensamos todos o mesmo e queremos todos a mesma coisa", afirmou Zidane, ontem (15), sobre o comportamento do galês.

Apesar da negativa do treinador, o relacionamento difícil entre ele e o atacante está longe de ser uma novidade. Não é de hoje que os torcedores do Real e a imprensa espanhola sabem que o ex-meia e o camisa 11 não se bicam.

Os atritos começaram ainda na primeira passagem de Zizou pelo banco merengue e não foram resolvidos nem depois de Bale marcar os dois gols que decidiram a final da Liga dos Campeões da Europa 2017/2018.

Inicialmente, Zidane reclamava do excesso de problemas físicos enfrentando pelo galês. Depois, passou a se incomodar com um certo ar de desinteresse do jogador, mesmo quando cobrado, e com o fato de, na visão do treinador, ele não corresponder dentro de campo ao alto salário que recebe.

Sem apoio do técnico francês, Bale foi colocado na lista de jogadores "negociáveis" do clube espanhol para a próxima janela de transferências. Seu destino mais provável é a Inglaterra, onde já defendeu Southampton e Tottenham.

Líder do Espanhol, com 83 pontos, quatro a mais que o Barcelona, o Real depende apenas de suas próprias forças para se sagrar campeão nacional hoje, com uma rodada de antecipação.

Se vencer o Villarreal, em casa, a partir das 16h, a equipe dos brasileiros Marcelo, Éder Militão, Casemiro, Vinícius Júnior e Rodrigo já poderá levantar a taça. Mesmo que perca, ficará com o título caso o Barcelona não derrote o Osasuna.

O Real também está vivo na Liga dos Campeões. Mas lá, sua situação é bem mais complicada. O time de Zidane enfrenta o Manchester City, no dia 8 de agosto, na Inglaterra, e terá de reverter a derrota por 2 a 1 sofrida em seus domínios para avançar às quartas de final da competição continental.

Rafael Reis