PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Rafael Reis


Brasil só aparece no fim da fila no top 10 dos meias mais caros do planeta

 Philippe Coutinho, do Bayern de Munique, fecha o top 10 de meias mais caros do mundo - AFP
Philippe Coutinho, do Bayern de Munique, fecha o top 10 de meias mais caros do mundo Imagem: AFP
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

05/06/2020 04h00

Fazer a bola rodar de pé em pé até encontrar o espaço necessário para aquele passe mais agudo, o que deixa o companheiro em condições de finalizar a gol e balançar as redes, virou um problema para o futebol brasileiro.

Isso porque os meio-campistas mais valiosos do planeta estão bem distantes do único país pentacampeão mundial de futebol. Pelo menos, é isso que mostra uma pesquisa feita pelo "Transfermarkt", site especializado na cobertura do Mercado da Bola.

O Brasil até aparece no top 10 dos jogadores mais caros da atualidade nessa posição, mas só lá no fim da lista.

Arthur, do Barcelona, e Philippe Coutinho, que também possui vínculo com o clube catalão, mas está emprestado ao Bayern de Munique até o fim da temporada, têm preço estimado em 56 milhões de euros (R$ 317,5 milhões) e dividem justamente a décima posição no ranking.

A soma dos valores dos dois brasileiros ainda fica abaixo da quantia que, segundo o "Transfermarkt", seria necessária para fazer o meia mais caro do planeta mudar de clube na próxima janela de transferências.

O posto de atleta mais valioso da posição no momento é ocupado pelo belga Kevin de Bruyne, curiosamente um dos algozes da seleção brasileira na última Copa do Mundo. O camisa 17 do Manchester City está avaliado em 120 milhões de euros (R$ 680,4 milhões).

Na sequência, aparece o alemão Kai Havertz, do Bayern Leverkusen, que tem sido um dos destaques do futebol desde o retorno pós-pandemia. O garoto de 20 anos vale 81 milhões de euros (R$ 459 milhões).

Campeões mundiais com a França em 2018, N'Golo Kanté (Chelsea) e Paul Pogba (Manchester United) completam o pódio. Cada um deles vale 80 milhões de euros (R$ 453,6 milhões).

Vale lembrar que todos esses valores já foram atualizados (para baixo) devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), que está gerando uma grave crise econômica também no futebol internacional.

O estudo leva em consideração apenas jogadores que atuam preferencialmente como segundo, terceiro ou quarto homens de meio-campo e exclui os volantes. A lista específica dos meias defensivos tem o brasileiro Casemiro, do Real Madrid, no topo, ao lado do espanhol Rodri (Manchester City) e do alemão Joshua Kimmich (Bayern de Munique).

Além do Brasil, apenas a França conta com dois nomes no top 10 dos meias mais caros do planeta (que tem 11 atletas devido ao empate verde e amarelo na décima posição). O ranking tem ainda um belga (De Bruyne), um alemão (Havertz), um holandês (De Jong), um espanhol (Saúl), um inglês (Dele Alli), um sérvio (Milenkovic-Savic) e um italiano (Verratti).

O Barcelona é o único clube que conta com mais de um dos atletas mais valiosos da posição. São dois no seu elenco atual (Arthur e De Jong), além do emprestado Coutinho. Curiosamente, o atual campeão europeu, Liverpool, não aparece na lista.

Os meias mais valiosos do mundo

1 - Kevin de Bruyne (BEL, Manchester City) - 120 milhões de euros
2 - Kai Havertz (ALE, Bayer Leverkusen) - 81 milhões de euros
3 - N'Golo Kanté (FRA, Chelsea) - 80 milhões de euros
Paul Pogba (FRA, Manchester United) - 80 milhões de euros
5 - Frenkie de Jong (HOL, Barcelona) - 72 milhões de euros
Saúl Ñíguez (ESP, Atlético de Madri) - 72 milhões de euros
7 - Dele Alli (ING, Tottenham) - 64 milhões de euros
Sergej Milenkovic-Savic (SER, Lazio) - 64 milhões de euros
9 - Marco Verratti (ITA, Paris Saint-Germain) - 60 milhões de euros
10 - Arthur (BRA, Barcelona) - 56 milhões de euros
Philippe Coutinho (BRA, Bayern de Munique) - 56 milhões de euros

Rafael Reis