PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Rafael Reis


Futebol tem 1º campeão em campo na pandemia, e festa ignora isolamento

Real Estelí comemora conquista do Torneio Clausura da Nicarágua - Divulgação
Real Estelí comemora conquista do Torneio Clausura da Nicarágua Imagem: Divulgação
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

12/05/2020 04h20

Foi quebrando todos os protocolos de distanciamento social e sem muita preocupação com a proliferação do novo coronavírus (Covid-19) que o futebol conheceu no último fim de semana o seu primeiro campeão nacional em campo desde o começo da pandemia.

O Real Estelí conquistou no sábado (9) o título do Torneio Clausura do Campeonato Nicaraguense ao derrotar o Managua por 3 a 1, fora de casa, na segunda partida da decisão.

A equipe, que havia empatado por 1 a 1 no jogo de ida da final, realizado uma semana antes, unificou as taças da temporada 2019/2020, já que havia vencido no semestre anterior o Torneio Apertura.

Na celebração, o Real Estelí ignorou boa parte das regras inicialmente determinadas para reduzir o risco de proliferação da Covid-19 entre seus jogadores e integrantes da comissão técnica.

Como determinado previamente, o troféu de campeão nacional foi entregue a apenas um jogador, o mexicano Manuel Rosas, capitão do time. No entanto, logo depois, a taça começou a ser passada de mãos em mãos, e os atletas se aglutinaram para festejar o título.

No momento da comemoração, quase ninguém usava máscara. E, quem estava com a proteção no rosto tratou de abaixá-la até o queixo para poder gritar à vontade ao lado dos companheiros.

O clima da festa só não era 100% normal porque a partida, como já vinha acontecendo nos últimos meses, foi disputada sem presença de torcedores.

Comandada pelo ditador Daniel Ortega, que desapareceu durante um mês no meio da pandemia e não decretou praticamente nenhuma medida de distanciamento social para contê-la, a Nicarágua é um dos poucos países do mundo que não alteraram em nada seu calendário futebolístico por causa da Covid-19.

Além dele, apenas Belarus e Taiwan seguiram à risca aquilo que já estava planejado antes da doença se espalhar pelo planeta e paralisar praticamente todas as competições esportivas inicialmente programadas.

O Turcomenistão, que também está com a bola rolando, ficou com seu campeonato suspenso durante um mês.

No último fim de semana, Coreia do Sul e Ilhas Faröe deram o pontapé inicial para a temporada 2020 das suas competições nacionais. No próximo sábado, dia 16, será a vez de a Alemanha retomar a Bundesliga.

Outras nações importantes da Europa, como Itália, Espanha e Inglaterra, estão em conversas adiantadas sobre o reinício dos seus campeonatos. Por outro lado, Holanda e França optaram pelo encerramento antecipado de suas ligas - o Paris Saint-Germain foi decretado campeão da Ligue 1, enquanto a Eredvisie ficou sem vencedor.

Segundo dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), o novo coronavírus já infectou mais de 4 milhões de pessoas em praticamente todo o planeta. O número de mortos já ultrapassou a barreira de 275 mil. Os Estados Unidos são o epicentro da epidemia e o país com maior número de contágios e vítimas.

Rafael Reis