PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Rafael Reis


Novo astro do Real foi acusado de racismo antes de virar xodó de Zidane

Federico Valverde, um dos destaques do Real Madrid nesta temporada - Gabriel Bouys/AFP
Federico Valverde, um dos destaques do Real Madrid nesta temporada Imagem: Gabriel Bouys/AFP
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

26/02/2020 04h00

Classificação e Jogos

Federico Valverde tem vivido um sonho em sua segunda temporada no elenco principal do Real Madrid. O meio-campista de 21 anos tem sido titular em mais da metade dos compromissos da equipe espanhola, está recebendo um elogio atrás do outro e já ganhou a confiança do técnico Zinédine Zidane.

Mas o garoto, que hoje enfrenta o Manchester City, na Espanha, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa, tem uma mancha em seu passado recente.

Três anos atrás, quando disputava o Mundial sub-20 pela seleção uruguaia, Valverde foi acusado de ter praticado discriminação racial contra cidadãos da Coreia do Sul, país-sede da competição.

O suposto ato racista na disputa por pênaltis da partida contra Portugal, pelas quartas de final. Após converter sua cobrança, a primeira dos sul-americanos, o meio-campista comemorou esticando seus olhos.

Torcedores sul-coreanos não gostaram do que viram e acusaram o jogador de estar ironizando os olhos puxados característicos dos orientais. A Fifa chegou a notificar a Associação Uruguaia de Futebol repudiando a comemoração.

Valverde negou o ato racismo e disse não ter tido a intenção de ofender ninguém. O meia explicou que o gesto foi apenas uma forma de homenagear seu empresário, Edgardo Lasalvia, que é conhecido como "Chino".

Após a defesa do jogador, a Fifa resolveu nem abrir investigação formal sobre o comportamento de Valverde e deu o caso por encerrado. O Uruguai foi até as semifinais do Mundial sub-20, e o hoje astro do Real Madrid acabou eleito o segundo melhor jogador da competição.

O bom desempenho no torneio de juniores acabou credenciando o meio-campista a ser emprestado pelo Castilla, time B do gigante espanhol, onde já estava há um ano para o La Coruña.

Uma temporada depois, ele passou a fazer parte do elenco principal do Real. No primeiro ano, passou a maior parte do tempo no banco de reservas e só atuou como titular em jogos menos importantes.

Mas, na atual temporada, Valverde mudou completamente de patamar. Ele foi escalado nos clássicos contra Barcelona e Atlético de Madri, além de ter iniciado a partida contra o Paris Saint-Germain, pela fase de grupos da Champions.

O uruguaio se tornou uma alternativa mais jovem para o envelhecido meio-campo do Real (Toni Kroos tem 30 anos e Luka Modric, 34). Com isso, caiu nas graças de Zidane e da torcida merengue.

Além de Real Madrid x Manchester City, o último dia dos confrontos de ida das oitavas da Liga dos Campeões tem também a partida entre Lyon e Juventus, na França. Os jogos de volta da primeira rodada dos mata-matas decisivos começam em 10 de março.

A decisão da Champions 2019/2020 está marcada para o dia 30 de maio e será disputada no estádio Olímpico Atatürk, em Istambul (Turquia).

Rafael Reis