PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Rafael Reis


Jovem astro de R$ 588 mi sofre com jejum de 4 meses e "apanha" na Espanha

João Félix, atacante português que tem decepcionado no Atlético de Madri - JAIME REINA / AFP
João Félix, atacante português que tem decepcionado no Atlético de Madri Imagem: JAIME REINA / AFP
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

22/01/2020 04h00

Classificação e Jogos

A lua de mel entre o Atlético de Madri e o reforço mais caro da sua história chegou ao fim.

Contratado em julho por 126 milhões de euros (R$ 588 milhões), o atacante português João Félix virou o alvo principal das críticas de jornalistas e torcedores depois de o clube colchonero perder contato com Real Madrid e Barcelona e ficar a oito pontos da dupla que divide a liderança do Campeonato Espanhol.

A gota d'água foi a atuação do garoto de 20 anos na derrota por 2 a 0 para o Eibar, nesse sábado (18). Aos 38 minutos do segundo tempo, quando o Atleti perdia só por 1 a 0 e se lançava ao ataque em busca do empate, o camisa 7 deixou o campo para dar lugar a um jogador que ainda atua nas categorias de base.

Essa foi a sexta substituição do português só nas últimas sete rodadas da liga nacional. "Podemos dizer que algo está errado quando Simeone sempre saca um atleta de 126 milhões de euros. As dúvidas [sobre Félix] instalaram-se, e seu rendimento está acabando", publicou o jornal "Marca".

Em sua primeira temporada no Atleti, o ex-jogador do Benfica soma apenas quatro gols em 22 partidas. Ele não balança as redes desde o dia 12 de novembro, quando marcou na Liga dos Campeões. No Espanhol, o jejum é ainda mais longo e incômodo: já são quase quatro meses sem um mísero golzinho.

O técnico Diego Simeone até tem tentado aliviar um pouco a barra para Félix. Na semana passada, antes do jogo contra o Eibar, ele declarou que ainda precisa encontrar a "melhor versão" do jogador, mas que acredita que ele irá brilhar muito na segunda metade da temporada.

"Acreditamos totalmente nele. Tem a vontade que precisamos e sabe fazer gols. Espero que essa nova etapa dele, em um novo clube, o fortaleça e o faça crescer a cada dia. Assumo toda a responsabilidade pelo João Félix, assim como por qualquer atleta do Atlético", afirmou.

Mas o peso que o português carrega nas costas é grande.

Félix foi contratado com a missão de substituir Antoine Griezmann, um dos maiores ídolos da história recente do Atleti e eleito o terceiro melhor jogador do mundo em 2016, quando foi vice-campeão da Champions.

Além disso, custou um valor que a equipe da capital espanhola jamais havia desembolsado por um jogador - o quarto maior de toda a história do futebol.

Antes do negócio que causou espanto na janela de transferências do meio do ano passado, Félix só tinha uma temporada como profissional. Nos seus primeiros 12 meses pelo time de cima do Benfica, ele disputou 43 partidas e fez 20 gols.

Foi o suficiente para desembarcar na Espanha como grande astro. Um grande astro que agora está em xeque.

O Atlético de Madrid ocupa a terceira colocação do Espanhol, com os mesmos 35 pontos do Sevilla, quarto. Barcelona e Real Madrid, que disputam a liderança cabeça a cabeça, têm 43. O próximo compromisso colchonero é a partida contra o Cultural Leonesa, amanhã, em jogo que marca sua estreia na Copa do Rei.

Rafael Reis