PUBLICIDADE
Topo

Perrone

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Perrone: Creditar título ao VAR é ignorar competência de Cuca e seu elenco

Cuca tentou se esconder do "banho" em entrevista coletiva após título do Atlético-MG - Reprodução/Twitter
Cuca tentou se esconder do "banho" em entrevista coletiva após título do Atlético-MG Imagem: Reprodução/Twitter
Conteúdo exclusivo para assinantes
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

03/12/2021 04h04

Cuca só levou o Galo ao título brasileiro porque seu time teve a ajuda do VAR, especialmente na marcação de pênaltis? Ou porque é fácil levantar a taça com uma equipe tão forte, com Arana, Hulk, Nacho Fernández, Zaracho, Diego Costa, Keno e Nathan Silva, entre outros? Ou as duas coisas juntas?

Nada disso. Cuca comandou o Atlético-MG na quebra do jejum de quase 50 anos sem a taça do Brasileirão porque foi competente, como em outros de seus últimos trabalhos.

Todo argumento diferente disso é injusto com o treinador, que muitas vezes é colocado por parte da imprensa e dos torcedores num andar mais baixo do que merece.

O argumento de que Cuca e Galo foram ajudados pela arbitragem não é levado em consideração por esse colunista porque árbitros de campo e aqueles que cuidam do VAR, na média, fazem um péssimo Brasileirão. Mais uma vez.

Todos os clubes tiveram erros a favor e contra. Definir quem foi mais favorecido ou prejudicado é tarefa árdua e assombrada pelo clubismo.

Creditar a conquista atleticana apenas à qualidade do elenco, é ignorar que muitas vezes treinadores de times endinheirados, repletos de contratações caras, ficam pelo caminho. Basta dar uma espiada no Flamengo, que era comandado por Renato Gaúcho.

Cuca está entre os nomes fundamentais do Galo, sim, Soube tirar quase tudo que podia de um elenco forte. Aos poucos, deu padrão de jogo ao Galo. Também fez a equipe ser regular, algo raro no Brasileirão deste ano e que ajuda a explicar a folga que o Atlético conseguiu na tabela em relação aos seus principais rivais.

O Galo é um time bem treinado, no qual os jogadores sabem suas funções em campo e as executam com naturalidade. Quem não tem a bola sabe se posicionar bem para quem está com ela ter opção de passe.

A qualidade do elenco, com jogadores que desequilibram, como Hulk e Arana, facilita o trabalho da comissão técnica. Mas não podemos nos esquecer do que Cuca fez antes de comandar esse timaço. Ele foi campeão da Libertadores, também com o Galo, em 2013. Venceu o Brasileirão com o Palmeiras em 2016 e foi vice-campeão da Libertadores de 2020 com o Santos. É um currículo respeitável.

Usar outra explicação para o sucesso de Cuca neste Brasileirão que não seja seu trabalho eficiente é forçar a barra. O técnico do Atlético-MG está entre os melhores do país e merece ser reconhecido como tal.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL