PUBLICIDADE
Topo

Perrone

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

As diferenças que a diretoria já vê no São Paulo de Rogério Ceni

Rogério Ceni, durante treino do São Paulo no CT da Barra Funda - Erico Leonan / saopaulofc
Rogério Ceni, durante treino do São Paulo no CT da Barra Funda Imagem: Erico Leonan / saopaulofc
Conteúdo exclusivo para assinantes
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

22/10/2021 04h00

Rogério Ceni só fez dois jogos em sua volta ao cargo de técnico do São Paulo. Empatou com o Ceará e venceu o Corinthians. Mesmo assim, dirigentes do clube já enxergam uma série de diferenças em relação ao trabalho de seu antecessor, Hernán Crespo, conforme apurou o blog.

Os cartolas fazem a ressalva de que é cedo para uma análise profunda e que o treinador precisa manter as virtudes mostradas inicialmente, mas disparam elogios ao novo técnico. Veja a seguir as principais diferenças que a direção aponta internamente entre o começo da nova era Ceni e os últimos tempos de Crespo, muito elogiado no primeiro semestre.

Treinos

Como mostrou o blog, um dos motivos que fizeram a diretoria do São Paulo optar pela saída de Crespo foi a avaliação de que a qualidade dos treinos tinha caído. Uma das justificativas para essa queda foi, no entendimento dos cartolas, foi motivada pelo receio de novas lesões musculares. Por precaução, a intensidade dos treinamentos passou a ser menor, na análise da direção.

Porém, poucos treinos com Rogério foram necessários para os cartolas avaliarem que os trabalhos voltaram a ter melhor qualidade e serem mais intensos, o que resulta num time mais bem preparado nas partidas.

Jogos

A principal diferença no rendimento da equipe nas partidas notada pelos cartolas no início da nova era Ceni é a intensidade. Tanto na marcação como no ataque. O entendimento é de que a boa qualidade dos treinos é a principal explicação para essa transformação.

O fato de Rogério apostar no vigor físico de Igor Gomes, Gabriel Sara e Liziero no meio-campo também é citado para justificar a intensidade e a disposição para brigar pela bola detectadas pelos dirigentes.

O blog ouviu de um cartola que Ceni fez até Benítez, que tem a técnica como principal característica, "dar carrinho".

Vale lembrar que intensidade e disposição também eram observadas pela direção no time de Crespo durante a campanha vitoriosa no Campeonato Paulista. Porém, elas sumiram das análises durante o Brasileirão.

Diálogo

Outro motivo que contribuiu para a queda do treinador argentino foi o entendimento de que os jogadores não assimilavam mais as orientações dele. No começo do trabalho de Rogério, acontece algo bem diferente na percepção dos dirigentes.

O treinador tem sido elogiado internamente pelo bom diálogo que estabeleceu rapidamente com os atletas. Essa análise vale para as conversas com jogadores que vão entrar ou sair do time e ainda para explicar as funções de cada um.

Bola parada

Pelo menos parte da direção acredita que o time passou a treinar mais as jogadas a partir da bola parada. A opinião é de que Crespo também fazia esses trabalhos, mas que seu sucessor os realiza em maior quantidade e cuida mais dos detalhes.

Controle sobre a comissão técnica

Antes de cair, Crespo foi criticado pela direção por, supostamente, delegar muitas funções para seus auxiliares.

Os dirigentes cobravam que ele controlasse mais os treinamentos.

A primeira impressão deixada por Ceni é de que ele tem maior controle sobre a comissão técnica e participa de praticamente tudo. Como nos tempos de jogador, ele é considerado detalhista. Cartola ouvido pelo blog elogiou o técnico por chegar ao CT da Barra Funda por volta das "7h30 e não ter hora para sair".

Disciplina

Em outro relato, o blog ouviu que os jogadores estão mais disciplinados no começo do trabalho de Rogério. Isso, principalmente, por estarem mais preocupados em cumprirem os horários estabelecidos pelo novo treinador.

Inscreva-se no canal do Ricardo Perrone no YouTube.