PUBLICIDADE
Topo

Blog do Perrone

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Com Lei do Mandante clubes mandam recado para CBF sobre Liga

Conteúdo exclusivo para assinantes
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

15/07/2021 04h00

Com a aprovação do projeto que cria a Lei do Mandante pela Câmara dos Deputados, nesta quarta (14), os clubes que pretendem formar uma Liga Nacional mandaram um recado à confederação e às federações estaduais. Eles mostraram união, capacidade de articulação em Brasília e força para peitar uma entidade poderosa. No caso, a Globo.

Em breve, pode haver embate com as agremiações de um lado e CBF e federações do outro. Justamente pela Liga, que precisa da aprovação das entidades estaduais em assembleia organizada pela confederação.
Sem esse crivo, a Liga pode ser fundada, mas ela não seria reconhecida por CBF, Conmebol e Fifa. Seus integrantes não poderiam, por exemplo, disputar a Libertadores e o Mundial de Clubes.

O projeto da Lei do Mandante ainda precisa passar pelo Senado antes de ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.

No ano passado, a MP do Mandante, assinada pelo presidente, caducou sem ter sido votada no Congresso. Agora, os clubes se mobilizaram e conseguiram que a Câmara aprovasse a tramitação do projeto em regime de urgência.

É uma mudança radical no status do trânsito dos dirigentes das agremiações em Brasília, terreno no qual historicamente CBF e Globo andam com desenvoltura.

O projeto, encaminhado para a Câmara pelo executivo, ganhou uma emenda teoricamente favorável à Globo, pois protege seus acordos vigentes. A emenda diz que "contratos que tenham por objeto direitos de transmissão celebrados previamente" à vigência da lei não são atingidos por ela.

Novamente unidos, os clubes negociaram em Brasília uma alteração que atenuasse os efeitos da emenda positiva para a Globo. Então, foi criado o parágrafo que diz que os contratos assinados antes da lei não afetam os clubes que ainda não tiverem negociado os seus direitos de transmissão. Essa alteração significa, por exemplo, que os times que estão na Série B e subirem para a elite poderão negociar seus direitos de transmissão de acordo com a Lei do Mandante.

Assim, numa tacada só, os cartolas mostraram união, pois houve proteção a quem não está na Série A, e força no congresso para agir diante de um adversário poderoso.

Nos bastidores, a desunião dos clubes, principalmente quando o tema é grana da TV, é usada para justificar a dificuldade deles em criar uma Liga.

Um passo importante na tentativa de mudar essa imagem acaba de ser dado. E sem que as agremiações deixassem a Liga de lado. As conversas sobre a organização da nova entidade avançaram nos últimos dias.
Além da Liga, as agremiações querem mudanças no estatuto da CBF, como passarem a ter votos com o mesmo peso dos das federações nas eleições presidenciais na entidade. Hoje, o voto dos clubes tem peso menor.

O recado está dado. Se houver resistência à Liga ou às outras exigências, quem for contra terá de enfrentar um adversário unido e organizado.


Se inscreva no canal Ricardo Perrone no YouTube.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Blog do Perrone