PUBLICIDADE
Topo

Blog do Perrone

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Corinthians oferece elevador para penhora, mas credor quer grana da Globo

Duílio Monteiro Alves, presidente do Corinthians - Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Duílio Monteiro Alves, presidente do Corinthians Imagem: Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

12/06/2021 03h56

O Corinthians ofereceu para penhora 40 televisores, aparelhos usados em exames médicos, equipamento para cozinha utilizado em centro de treinamento, um ônibus e até um elevador. Os bens foram oferecidos atendendo à determinação da Justiça em ação de execução movida pela B2F Marketing Esportivo.

A empresa entrou com a ação para cobrar R$ 1.275.307,00. O valor, segundo ela, é referente à participação nos direitos econômicos de Maycon, vendido para o Shakhtar Donetsk.

A B2F já apresentou um pedido para que a Justiça rejeite os bens oferecidos como garantia. Ela trava uma batalha para tentar bloquear créditos que o clube tem para receber da Globo, entre outros. Até a conclusão deste post, no entanto, a solicitação não havia sido analisada.

A empresa também tenta penhorar parte da receita que o Corinthians deve abocanhar como clube formador pela venda de Pedrinho pelo Benfica para o Shakhtar Donetsk.

O blog procurou o departamento de comunicação do Corinthians para saber se os televisores oferecidos para penhora são dos quartos dos jogadores no CT Joaquim Grava, de onde é o elevador e se o Alvinegro se manifestaria.

"Não há como saber. São bens que foram indicados pelo Departamento de Patrimônio a fim de fazer face a uma obrigação da Justiça. O clube era obrigado a nomear bens à penhora e assim foi feito", diz nota enviada ao blog pelo departamento de comunicação do clube.

No último dia 27, o juiz Cláudio Pereira França determinou que o Corinthians indicasse bens para penhora, após uma série de tentativas frustradas de bloqueio.

Na última quinta (10), o Corinthians se manifestou no processo afirmando que possui bens imóveis, mas que todos estão comprometidos por penhoras e hipotecas. Assim, apresentou a curiosa lista de bens móveis livres de ônus como disponíveis para penhora.

Os 40 televisores Samsung LCD de 40 polegadas foram apresentados pelo Corinthians com valor de R$ 128.620.

Um elevador com capacidade para 630 kg aparece avaliado em R$ 80.825.

Com valor de R$ 195 mil foi oferecido equipamento de cozinha do CT do Parque Ecológico do Tietê.

No Parque Ecológico ficam os centros de treinamento do time profissional (CT Joaquim Grava) e da base. Não foi indicado a qual dos dois o equipamento pertence.

O Corinthians ainda ofereceu para penhora um ônibus Mercedes-Benz, ano 2002, avaliado pelo clube em R$ 112 mil.

Um scanner corporal (R$ 169 mil), um aparelho de ultrassonografia (R$ 129 mil) e uma câmara de crioterapia, equipamento no qual atletas são expostos a temperaturas extremamente baixas, (R$ 192.500), também fazem parte da relação.

A lista toda tem 13 itens (os televisores contam como um item). O valor total da relação calculado pelo Corinthians é de R$ 1.728.004,71. A quantia é superior à cobrança.

O juiz pode aceitar o pedido da credora e recusar os bens ou aceitá-los. Se forem aceitos, no final do processo, não havendo pagamento, eles vão a leilão.

A B2F já tentou receber de diversas formas. No ano passado, a empresa conseguiu bloquear R$ 66.771,00.

Dinheiro da Globo

Em 30 de março, a Justiça determinou o bloqueio de 30% de créditos que o Corinthians tivesse para receber de patrocinadores e parceiros até que o total chegasse aos cerca de R$ 1,5 milhão cobrados. Os depósitos deveriam ser feitos mensalmente.

Nem assim a B2F obteve sucesso. Virou rotina patrocinadores do clube informarem que não existiam créditos a serem transferidos. Em 29 de abril foi a vez de a Globo informar à Justiça que naquele momento não existiam valores a serem repassados ao clube.

Os advogados do Corinthians conseguiram liminar suspendendo o bloqueio de créditos a serem repassados por parceiros. Eles também já pediram que eventuais bloqueios não sejam superiores a 5% do valor dos créditos.

Entre outros motivos, foi alegado para a suspensão que o bloqueio provocaria atrasos salariais e descumprimento de acordos judiciais.

No entanto, houve decisão determinando que eventuais valores bloqueados fiquem à disposição da Justiça não podendo ser levantados pelas partes enquanto a disputa se desenrola.

A briga também envolve valores bloqueados pela empresa em outra ação movida contra o clube.

No último dia 2, uma manifestação da Globo no processo jogou mais lenha na fogueira. O advogado da emissora escreveu que, por conta da decisão que suspendeu o bloqueio de 30% dos créditos do Corinthians, a Globo "vem, respeitosamente informar que realizará o pagamento dos créditos disponíveis nesse mês diretamente ao clube".

O juiz Cláudio Pereira França respondeu à manifestação da emissora da seguinte forma no último dia 9:

"Descabida a medida (tomada) pela empresa Globo eis que não foi alterada ordem expedida".

Nesta sexta (11), os advogados da B2F se posicionaram contra a postura da Globo. Eles pediram que seja determinado imediatamente o cumprimento da ordem de depositar o crédito devido ao Corinthians "no mês corrente por parte da Globo Comunicação e Participações, restando o respectivo numerário como garantia, sem possibilidade de levantamento até a decisão final no agravo de instrumento interposto, sob pena de prática de crime de desobediência, bem como ato atentatório à dignidade da Justiça impondo-se multa de 20% sobre o valor da causa", ou outro valor determinado pelo juiz.

Simultaneamente foi pedido bloqueio de valor que o Corinthians venha a receber como clube formador de Pedrinho. O meia Jadson, que também processa o Alvinegro, já fez pedido semelhante por meio de sua empresa e obteve sucesso, como revelou o blog.

Se inscreva no canal do Ricardo Perrone no YouTube.

Blog do Perrone