PUBLICIDADE
Topo

Perrone

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Opinião: Palmeiras decepciona, mas derrota para o Tigres não é vexame

Vina lamenta a derrota do Palmeiras para o Tigres na semifinal do Mundial de Clubes - REUTERS/Mohammed Dabbous
Vina lamenta a derrota do Palmeiras para o Tigres na semifinal do Mundial de Clubes Imagem: REUTERS/Mohammed Dabbous
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

07/02/2021 17h23

O Palmeiras rendeu muito menos do que poderia na derrota por 1 a 0 para o Tigres neste domingo (7). Porém, o revés na semifinal do Mundial de Clubes da Fifa, no Qatar, não é um vexame, na opinião deste blogueiro.

Não se trata de um fiasco porque o adversário era forte, ainda que não tenha sido brilhante em suas duas partidas na competição.

Mas Quiñones, o melhor em campo na minha opinião, Gignac e Rafael Carioca são exemplos de que o Tigres tem qualidade.

Não foi a queda de um esquadrão diante de uma molezinha. Já se esperava uma disputa equilibrada.

Com 3 minutos, Weverton fez uma defesa difícil. Depois, o alviverde teve um curto período de domínio, mas não soube aproveitar a lentidão e os espaços deixados pelos mexicanos na defesa.

A falta de criatividade palmeirense deixou o time comandado pelo brasileiro Ricardo Ferretti confortável e no controle.

Algumas peças do Palmeiras, como Gabriel Menino, renderam bem menos do que de costume. Abel Ferreira não conseguiu dar capacidade de criação e velocidade ao Palmeiras. Talvez, se tivesse começado o jogo com Willian, as coisas poderiam ter funcionado melhor.

A derrota não pode apagar a grande atuação de Weverton, que confirma ser o melhor goleiro em atividade no Brasil. Só faltou pegar o pênalti cobrado por Gignac.

O momento exige calma dos palmeirenses, tanto para suportar as gozações quanto para não eleger vilões. Não há nenhuma cabeça a ser pedida. Tudo que foi feito até aqui, incluindo uma conquista de Libertadores, não se apaga com a derrota para o Tigres. Perder da forma como o alviverde perdeu é do jogo. Não é vergonha.