PUBLICIDADE
Topo

Blog do Perrone

Emboscada espalha desconfiança, insegurança e nervosismo pelo São Paulo

Estrago feito pelo ataque ao ônibus do São Paulo - Divulgação
Estrago feito pelo ataque ao ônibus do São Paulo Imagem: Divulgação
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

25/01/2021 10h33

A emboscada ao ônibus do São Paulo, no último sábado (23), deixou muito mais do que marcas no veículo. O vandalismo espalhou nervosismo, desconfiança e insegurança pelo clube.

Os efeitos do ataque puderam ser sentidos já no desembarque da delegação com evidente e justificável nervosismo por parte dos jogadores. Tiago Volpi era um dos mais nervosos.

A partir daí começou uma onda de desconfiança, com atletas suspeitando que alguém do clube teria dado detalhes do trajeto da equipe até o Morumbi aos responsáveis pela emboscada.

Por outro lado, há entre membros da atual gestão a desconfiança de que atletas foram "envenenados" por pessoas interessadas em prejudicar determinados colaboradores, acusando-os, sem provas, de facilitar a emboscada.

Apesar da falta de elementos e da gravidade das acusações, nomes foram divulgados em redes sociais aumentando o clima de insegurança.

Este colunista ouviu o relato de uma pessoa que teve seu nome sem provas envolvido no episódio e que reclama que seus familiares têm recebido mensagens ofensivas pelas redes sociais. O mesmo personagem conta que recebe o apoio de jogadores numa demonstração de que o assunto está vivo no vestiário.

Por sua vez, a diretoria é cobrada por torcedores para tomar atitudes, apesar de a investigação policial estar no início. O posicionamento da direção é de apoiar e colaborar com o trabalho da polícia, sem se basear em acusações sem provas.

Há a suspeita de que o ataque esteja sendo usado por algumas pessoas para minar desafetos. Ao mesmo tempo, existe o sentimento de que há pontos no episódio que precisam ser esclarecidos, mas isso é com a polícia.

Nesse cenário, impedir o derretimento do ex-líder no Brasileirão se tornou uma missão ainda mais difícil. A diretoria ganhou outra árdua tarefa: aliviar o clima pesado provocado na Barra Funda pela emboscada e identificar eventuais jogadores abalados emocionalmente.

Se inscreva no canal Ricardo Perrone no YouTube.

Blog do Perrone