PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Zero a zero foi justo em um mau clássico

só para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

25/06/2022 21h18Atualizada em 25/06/2022 21h18

A meta do Santos era não passar vergonha novamente. As desculpas pedidas repetidamente por Jonathan Felipe no pós jogo comprovam.

A meta do Corinthians era descansar seus titulares para o jogo de terça-feira contra o Boca Juniors.

A meta do árbitro era picotar o jogo. Aceitar a cera santista e devolver com poucos minutos de acréscimo.

O roteiro mudou um pouco com as entradas de Willian e Giuliano. Insuficiente para impedir que o zero a zero reinasse.

E, para dizer que nada muda mesmo, Luís Miguel, assessor de Vitor Pereira deu um belo chilique ao ser expulso.

O que faltou?

O VAR atrapalhar o árbitro.

O árbitro aceitar interferência do VAR.

Dois clássicos do atual futebol brasileiro.