PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Ceni precisa de apoio, reforços e cobrança

Rogério Ceni, treinador do São Paulo, no clássico contra o Palmeiras, pelo Brasileirão - Marcello Zambrana/AGIF
Rogério Ceni, treinador do São Paulo, no clássico contra o Palmeiras, pelo Brasileirão Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
só para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

21/06/2022 04h00

Derrota de virada, em casa, com dois gols nos acréscimos é o caldo de cultura formado para cobranças duras sobre o treinador. É assim também com Rogério Ceni, mesmo sendo o ídolo que é.

Mas, não vejo erros graves dele contra o Palmeiras. E muito menos considero a possibilidade de que saia do comando.

1) Acertou muito na escalação, com mais gente no meio campo e pressionando o Palmeiras. Foi competitivo.

2) No segundo tempo, o time recuou ou foi "recuado?". O Palmeiras é o melhor time do Brasil e pressionou o São Paulo. O domínio não foi por causa de substituições feitas pelo São Paulo. Já estava consumado antes das medidas.

3) Concordo com as duas primeiras substituições. Rafinha para dar mais força defensiva. Se não deu, a culpa não é do treinador. E Pablo no lugar de Neves, que já tinha o amarelo.

4) Discordo das duas últimas. Eder no lugar de Calleri. Saiu o único cara que impedia, ou pelo menos prejudicava, uma saída de bola tranquila do Palmeiras. Luciano poderia segurar a bola.

E Rigoni por Nestor foi mais uma prova de que não se pode contar com Rigoni. Não foi um escape, não pode ser o homem do contra-ataque.

5) E quem deveria ser o homem do contra-ataque? Se alguém souber, liga pro Rogério. Não há ninguém no elenco. Ninguém. Marcos Guilherme e Yuri Cesar, cotados como reforços, podem ajudar muito. Por enquanto, não há ninguém.

6) Rogério precisa fazer o time render mais. Já são 39 jogos no ano e o que se pode lembrar é das vitórias contra Corinthians e Palmeiras no Paulista, da estreia contra o Furacão, de bom primeiro tempo contra Ceará, Corinthians e Coritiba. Algo mais?

O elenco é curto, as dores no tornozelo de Nikão não terminam, Gabriel Sara não volta, mas dá para jogar mais. Ou, pelo menos, ganhar mais. É pouco ter apenas um ponto a mais que o Avaí após 13 rodadas de Brasileiro.