PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Sávio, Bráulio e o VAR precisam apitar campeonato de pinguins no polo sul

só para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

19/06/2022 20h04Atualizada em 20/06/2022 23h06

A arbitragem brasileira é ruim há muito tempo. No mínimo, desde Armando Marques e José Roberto Whright, passando por Márcio Rezende de Freitas. Com a chegada de muitas câmeras de televisão, os erros aparecem mais agora, mas sempre foi ruim.

É inexplicável que seja premiada com a presença de dois árbitros na Copa-22.

A ruindade ficou exposta e explícita na rodada 13 do Campeonato Brasileiro. O que Sávio Sampaio e Bruno Machado fizeram, no Beira-Rio e Itaquera, respectivamente, é caso de geladeira. De mandar para a Sibéria.

Mais. Os dois e os designados para o VAR - Wagner Reway em Itaquera e Rafael Traci em Porto Alegre - mereciam ser mandados para o Polo Sul apitar um quadrangular entre pinguins. Imperador, Adélia, barbicha e macarrão sãos os quatro tipos.

Não é possível que erros tão grosseiros não sirvam para mudar alguma coisa. Ou, no mínimo, uma Punição. Eles interferiram nos resultados. No campeonato.

Não se trata de erro técnico. É só questão de enxergar bem.

Alan Patrick chutou e a bola bateu no peito de Philipe Ramos. Nítido. O VAR chamou e Sávio aceitou. Foi conferir e mudou de ideia. E ainda expulsou o zagueiro.

Roger Guedes chutou e a bola bateu na mão de apoio de Caio Vinícius. Bráulio apitou e o VAR não chamou.

Se houver justiça e seriedade na CBF serão punidos.

Pobres pinguins.