PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Seita vê grandes acertos e fecha os olhos para erros inaceitáveis de Ceni

Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

24/05/2022 04h00Atualizada em 24/05/2022 16h36

Rogério Ceni é o maior ídolo da história do São Paulo (para a grande maioria da torcida) e toda análise que se faz sobre ele é recebida sob o signo da idolatria.

Como disse alguém no Twitter, Rogério defendeu aquele chute do Gerrard e agora eu não posso achar que ele escalou mal, ou substituiu mal.

Mais ainda: não se pode dizer que ele fez algo errado como treinador simplesmente porque ele mostra preocupação com a piscina, ou com a escalação de jogadores da base que não renovaram contrato ou ainda com a dívida enorme do clube.

Rogério é sincero em dizer que aceita jogador de Série B desde que tenha coração? Bem, não foi isso que vazou no áudio do Muricy em que ele dizia que deixaria o clube, juntamente com Rogério, se não viessem reforços.

E vieram seis.

Mas, vamos assumir que Rogério foi sincero. Isto impede que seja criticado?

Ele fez muita coisa boa.

Em março, citei cinco.

Mas ele foi um desastre na final do Paulista. O time foi apático. Começou a fazer cera com dois minutos. Levou dois gols em 26 minutos e Rogério, nada. Um dois de paus. Só foi tentar reagir quando já havia levado o terceiro.

Gosta do clube?

Recuperou Diego Costa?

Revelou Pablo Maia?

Foi péssimo na final?

Sim. Para todas as anteriores.

Colocou Jandrei como titular?

Colocou o dedo no problema da falta de estrutura?

Exigiu um novo Reffis?

Deu espaço para Wellington?

E fez tudo errado no segundo tempo em Itaquera?

Sim, para todas as anteriores.

A seita cenista não aceita crítica nenhuma ao ídolo, o que bloqueia um bom debate.

Quem ousa falar, é anti, é perseguidor, frustrado, bobo e cara de fuinha.

É um possível grande treinador, faz um bom trabalho no São Paulo, mas também erra, como errou em Itaquera e no estádio do Palmeiras.