PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: Com Pablo, São Paulo pode levar o maior chapéu da história

Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

14/01/2022 13h22Atualizada em 14/01/2022 13h22

O São Paulo pode fazer um negócio historicamente ruim, se liberar Pablo em troca do perdão da dívida anterior. Será o complemento final de outro péssimo negócio: a contratação do próprio Pablo.

O vencedor será o Atlhetico, que, evidentemente está atrás do negócio.

Vejamos:

1) Em dezembro de 2018, o São Paulo pagou 6 milhões de euros por 70% dos direitos de Pablo, um jogador com apenas uma boa temporada na carreira.

2) Em 2021, depois de dois anos sofríveis no clube, Pablo cumpriu a meta de jogos disputados e teve seu contrato prorrogado por um ano.

3) O São Paulo deve dinheiro a Pablo. E não se interessa mais pelo jogador.

4) Pablo se recusa a sair para Santos e Ceará. O que é direito seu. O que deixaria o São Paulo ainda dono de seus direitos.

5) Pablo aceita rescindir contrato e abre mão de pagamentos futuros.

6) O São Paulo fica sem necessidade de pagar dividas passadas e dívidas futuras.

7) O São Paulo fica sem os direitos do jogador.

8) O Furacão, que recebeu 6 milhões de euros (26,5 milhões de reais) pelo jogador, agora fica com ele...de graça.

É uma comédia de erros. Sempre prejudicial ao São Paulo. Por duas razões: contrata mal e dá calote em jogador.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL