PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: Cotia, torcida do Flamengo, goleiro Bruno e religiosidade extremada

Gabriel Sara comemora gol do São Paulo contra o Palmeiras pelo Brasileirão - Marcello Zambrana/AGIF
Gabriel Sara comemora gol do São Paulo contra o Palmeiras pelo Brasileirão Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

02/12/2021 15h26

Alguns pitacos:

1) Cotia está salvando o São Paulo do rebaixamento, principalmente com Gabriel Sara. E não está conseguindo salvar as contas do clube. A janela foi ruim para vendas. É a situação crítica do clube. Precisa vender para se manter. Bem, se até o rico Flamengo vendeu Gerson.

A falta de dinheiro impede grandes contratações. E Cotia conseguirá revelar jogadores capazes de levar o clube a um grande título? É a esperança.

São divagações. A turma quer mesmo é criar a reeleição e se aboletar na cadeira presidencial. Enquanto Cotia salvar..

E hoje, contra o Grêmio, é preciso um ponto para garantir de vez a permanência.

2) Pensei que seria uma crueldade escalar Andreas Pereira contra o Ceará. Estaria exposto a um acerto de contas com a torcida após o erro na final da Libertadores. Ledo e Ivo engano. A torcida o acolheu com civilidade. Verdade que houve uma conversa no dia anterior, mas seja como for, parabéns.

3) Leandro Castan tem uma régua moral estranha. Ficou desconfortável em usar o uniforme do Vasco com a faixa mas cores do arco íris, uma ação de apoio à causa LGBTQIA+. E confessou que mantém contato com o goleiro Bruno. Não fala "sobre o assunto". Qual assunto? O fato de Bruno ter sido condenado por engendrar o assassinato de Eliza Samudio, mãe de seu filho. Que, detalhe, virou comida de cachorro. O Deus de Castán perdoa a morte, mas não aceita o amor gay.

5) Não tenho religião. Aceito todas. Mas me assusta a religiosidade extremada de jogadores de futebol. Deus nos abençoou com a vitória. E o outro time, Deus não ama? Não basta agradecer a Deus por uma vitória, como fez Wéverton, jogadores creditam a uma interferência divina o resultado de um espetáculo esportivo. Fábio, goleiro do Cruzeiro, diz que não estuda a maneira como os atacantes batem pênalti. É Deus que manda pular de um lado ou de outro.

É muita crendice.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL