PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: Renato não é péssimo, Abel não é gênio e Deyverson não é alma pura

Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

30/11/2021 14h40Atualizada em 30/11/2021 14h53

A final da Libertadores mostrou grande superioridade de Abel sobre Renato, que reagiu à derrota como sempre, dizendo que o Palmeiras achou um gol. No caso, dois.

Abel, parece claro, é muito melhor.

A vitória tão grande levou a alguns conceitos com que não concordo. Verdades definitivas não são comigo.

1) Renato é péssimo treinador - Não é. Basta ver seu trabalho no Grêmio e no Fluminense. E não venham dizer que o mérito foi de Roger, o ex-treinador. Renato manteve uma base mas também deu contribuição muito grande para os títulos.

2) Ganhou quem estuda - Uma verdade incontestável para a final da Libertadores, mas não para tudo. Relembro os trabalhos anteriores de Renato. E Abel perdeu a Copa do Brasil para o CRB, de Alan Aal. Será que estudou menos?

3 ) Torcida do Flamengo é arrogante - Todas são, não é verdade? Lembram do Soberano? E do Alexandre Mitos?

4) Renato é arrogante - Também acho. Mas não detém o privilégio de menosprezar vitórias alheias. Abel fez isso contra o São Paulo. Abel ficou a centímetros de agredir Liziero. E, se Renato tem discurso praieiro, Abel tem discurso eurocentrista.

5) Deyverson é uma criança grande, é uma alma pura - Não é. Continua sendo o que é, no Palmeiras ou na Espanha. Um sujeito que atrapalha a arbitragem, fingindo agressões de forma ridícula. Muitas vezes é violento. E já foi expulso duas vezes por cuspir em adversários. Não e porque aproveitou, de forma brilhante, o erro de Andreas Pereira, que merece ser tratado como um maluco-beleza, como uma criança crescida, de alma pura. Quero ver dizer que tem alma pura depois de receber uma cusparada no rosto.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL