PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: Santos, com emoção, alcança a marca mágica

Marcos Leonardo, jogador do Santos, comemora seu gol durante partida contra o Fortaleza  - Fernanda Luz/AGIF
Marcos Leonardo, jogador do Santos, comemora seu gol durante partida contra o Fortaleza Imagem: Fernanda Luz/AGIF
Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

25/11/2021 21h33Atualizada em 26/11/2021 01h31

45 pontos.

O Santos alcançou a pontuação que tem sido aquela que impede o desastre do rebaixamento.

E ainda faltam três rodadas. Um ponto ou outro que falte será conquistado

O glorioso Santos ficou no quase. Quase caiu no Paulista. Quase caiu no Brasileiro, mas as camisas brancas continuarão na elite em 2022.

Muito bom para o futebol.

E que sirva de lição. O clube foi vítima de muitas gestões desastrosas. E a mística da Vila Famosa, das lindas camisas brancas, dos raios que não param de cair, do time de Pelé quase foi para o beleléu.

A permanência foi conseguida com 2 x 0 sobre o Fortaleza. Comemoração emocionada e emocionante, jogadores se abraçando e torcida em comunhão.

Foi difícil. Houve sorte e azar.

O """azar""" vem com muitas aspas, pois a defesa de Marcelo Boeck, com certeza, foi a mais bonita do ano.

Na "sorte" vai aspas simples. Marcos Leonardo cobrou o pênalti no meio do gol e bateu no pé de Boeck. Insuficiente para impedir o gol.

E, para cortar na raiz o papo de sorte ou azar, Marcos Leonardo fez o segundo. Belo gol, chute forte após tabela com Gabriel Pirani. Da esquerda para o centro.

O Santos deve comemorar muito o feito. Cair não é opção. Mas deve comemorar pouco e começar o planejamento para que o próximo ano seja melhor que esse que está passando.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL