PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: Ataque do São Paulo é piada de péssimo gosto

Rigoni comemora gol do São Paulo contra o Red Bull Bragantino - Miguel SCHINCARIOL/São Paulo FC
Rigoni comemora gol do São Paulo contra o Red Bull Bragantino Imagem: Miguel SCHINCARIOL/São Paulo FC
Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

25/11/2021 04h00Atualizada em 25/11/2021 21h11

Hulk tem 15 gols no Brasileirão.

Michael, 13.

Juntos, façamos a conta, 28.

Dois a mais que o São Paulo.

Com 26 gols, o São Paulo se iguala ao Atlético-GO. E, pasmem, tem um gol a menos que a rebaixada Chapecoense.

Pior que o São Paulo, apenas o Sport, com 21 gols.

O artilheiro do São Paulo é Rigoni, com quatro gols. Helinho, revelado pelo clube e atualmente no Bragantino, tem cinco.

A situação é dramática. Vamos falar uma obviedade: quem não marca, não vence. E o São Paulo tem apenas nove vitórias.

Contra o Furacão, foram 20 finalizações, apenas duas no gol. Rogério começou com um 4-3-3 e dominou o rival desde o início. Depois, mudou para um 3-4-3, com as entradas de Léo e Benítez e as saídas de Reinaldo e Marquinhos. E nada. Nove escanteios. E nada!

No sábado, o São Paulo enfrenta o Sport, no Morumbi. Se vencer, vai a 45 pontos e rebaixa o time pernambucano.

Parece fácil, mas vai ter gols? Ou, pelo menos, um golzinho?

Uma vitória redentora ou a continuação de agonia. Depois do Sport, o São Paulo visitará Grêmio, receberá o Juventude e

termina o ano contra o América, em Minas.

É bom secar a pólvora.

De bom, apenas a sensação de que Rigoni voltou a jogar bem. Pode ser um alento.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL