PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: Ascensão de Leila mostra fragilidade do Palmeiras

Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

23/11/2021 13h00Atualizada em 23/11/2021 17h26

Leila Pereira nasceu em 1964. No ano seguinte, o Palmeiras vestiu a camisa da seleção brasileira e venceu o Uruguai por 3 x 0 na inauguração do Mineirão.

Era a primeira Academia.

Sete anos depois, viria a segunda Academia. Aquela escalação mágica que até os incas venusianos repetem de cor e salteado, de frente pra trás e de trás pra frente. Leão, Eurico.....

Em 1999, o Palmeiras venceu a Libertadores pela primeira vez.

Duvido que haja uma foto da mulher Leila, da criança Leila, do bebê Leila com a camisa do Palmeiras comemorando títulos tão maravilhosos.

O que não falta é foto de Leila Pereira com a camisa do Palmeiras a partir de 2015, quando suas empresas firmaram enorme contrato de patrocínio com o clube. Foi reeleita no Conselho em 2021, sempre com muitos agrados a conselheiros. Viagem no jato particular para ver estreia do time no Brasileiro de 2018. Distribuição de bicicletas e televisões aos conselheiros em 2020 em festa na sede do clube.

O clube se rendeu ao desejo de Leila Pereira de ser presidente. Não há oosição organizada. Ela governará como quiser.

Está errado, não?

Se o São Paulo é vítima de um sistema fechado de conselheiros, o Palmeiras vê os seus conselheiros subjugados por uma patrocinadora sem história no clube e que vira presidente, abusando do poder econômico.

Futebol brasileiro é assim. Mecenas no Galo, poder da grana no Palmeiras e sistema fechado no São Paulo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL